segunda-feira, 13 de agosto de 2012

Essa Coisa







Essa Coisa
Que te esmaga o peito
Não é à toa,
É o instinto que jaz
Além do intento.

É uma certeza
Recém-nascida, temporã
E prematura,
Incubada bem dentro
Esperando
O momento...

Essa coisa
Que questionas
E te desafia,
E te abandona,
Sem geografia,
Sem mapas
No caminho
Que se estende,
É o que te faz gente.

Essa coisa, assim,
Que não se explica
Nem replica,
Não se desculpa
Ou justifica,
Corre nas veias...

Essa coisa
Sem sobrenome
De origem dúbia
E dolorida
Chama-se vida...

Até quando,
Essa coisa?...

Um comentário:

  1. Oi Ana,intensos e contudentes versos, tecidos com o teu talento e sensibilidade! Um abraço para ti! Ângela Rolim

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Não Tenho Mais Nada Contigo

Estou escrevendo estas linhas  Só para deixar bem claro: Não tenho mais nada contigo. Teu rosto não faz mais figura...