quarta-feira, 22 de agosto de 2012

Águas Turvas





Narciso não afogou-se,


A história é mentirosa... 


Tentou colher uma rosa 


De sua adorada imagem 


Caiu n'água, mas nadou 


Conseguiu chegar à margem... 



Mas a água agitou-se 


Com suas braçadas fortes... 


E ao tentar rever a rosa, 


Pensou ver ecos da morte... 



Narciso apavorou-se, 


E quanto mais medo tinha, 


Mais ele agitava a água, 


Que mais turva se tornava! 



Assim, pensou ver fantasmas 


Que estavam em sua mente 


E empunhando uma espada, 


Lutou contra toda gente... 



E quanto mais ele lutava 


Mais turva a água ficava! 


Perdeu-se de sua imagem 


Pela qual se apaixonara... 



Estúpida criatura, 


Toda cheia de vaidade! 


Se ele se aquietasse, 


A lama se acalmaria... 


E a saudade que sentia 


De si mesmo e do futuro 


Talvez se apascentasse...


6 comentários:

  1. OI ANA!
    INSPIRAÇÃO, GENIAL,MOSTRANDO QUE A BELEZA NÃO É TUDO, FALTARAM MUITOS INGREDIENTES NA PERSONALIDADE DE NARCISO E QUANTOS(AS) TEM POR AÍ NÉ?
    ABRÇS

    zilanicelia.blogspot.com.br/
    Click AQUI

    ResponderExcluir
  2. A verve poética borbulha em teus poros amiga. Aprecio muito o seu poetizar, parabéns!

    ResponderExcluir
  3. Interessante!!!Talvez ele quisesse mesmo se transformar numa flor.

    ResponderExcluir
  4. Pobre Narciso! Há muitos como ele...

    Mas Ana, teu poema tem ótima construção e redesenhou a lenda fielmente.

    bacios
    :D

    ResponderExcluir
  5. ficou linnnnnnnnndo e muito bem construído...bjuuu de linda noite e final de semana.

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Em Casa

Sinto prazer em estar em casa... gosto de cuidar de tudo, andar pelo jardim, aproveitar o sol. Gosto de ir lá para fora olhar...