quarta-feira, 2 de maio de 2012

CHUVA ÁCIDA



Caiu do céu dos meus olhos
Queimando a pele e os cílios
Na acidez da saudade
Escorrendo pelos trilhos
Daquilo que já se foi
Para nunca mais voltar...
Chuva ácida chovendo,
Queima, queima sem molhar.

Queima as flores e as folhas
Que plantei em meu jardim
Queima a grama, queima a hera
E a alegria que há em mim.
Chuva ácida que escorre
Pelas covas do meu rosto
Despedir-se de quem morre
É sempre o maior desgosto.

Nem a luz do sol me queima
Tanto quanto este chover...
A saudade brota forte
Quase esqueço de viver...
Fico aqui, sem nau, sem norte,
Só tentando te esquecer
Pois as lágrimas da morte
Salgam o doce do viver.

2 comentários:

  1. intenso , com imagens fortes , reflexivas !!!.... olguinha

    ResponderExcluir
  2. Na verdade esquecer é impossível, aprendemos a conviver com tal falta. Emocionante Ana.

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Não Tenho Mais Nada Contigo

Estou escrevendo estas linhas  Só para deixar bem claro: Não tenho mais nada contigo. Teu rosto não faz mais figura...