quarta-feira, 30 de maio de 2012

A Joaninha



Ergui os olhos do livro
E uma joaninha
Passeava na parede,
Pintas negras salpicadas
Sobre as suas costas verdes.
E de repente, a história
Que aquele livro contava
Pareceu-me tão fugaz,
E um tanto desnecessária...


2 comentários:

  1. Ao que chamo de sensibilidade para com a beleza da naatureza.
    O livro pode ser lido depois.
    Otima criação.
    Meu abraço Ana.

    ResponderExcluir
  2. Belo poeta
    quando deixamos formiguinhas
    joaninha escreve poemas
    ai já somos quintanianos
    o poema petalou nossas vida
    ... e lindo é quando vislumbramos
    o poema nas costas da joaninha
    mas lindo é como você poetou.

    Luiz Alfredo - poeta

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Mandrágora

Teu Nome – raiz de mandrágora Perpassando o meu caminho, Me fazendo tropeçar... Um dragão adormecido Em isolada cave...