quarta-feira, 30 de maio de 2012

A Joaninha



Ergui os olhos do livro
E uma joaninha
Passeava na parede,
Pintas negras salpicadas
Sobre as suas costas verdes.
E de repente, a história
Que aquele livro contava
Pareceu-me tão fugaz,
E um tanto desnecessária...


2 comentários:

  1. Ao que chamo de sensibilidade para com a beleza da naatureza.
    O livro pode ser lido depois.
    Otima criação.
    Meu abraço Ana.

    ResponderExcluir
  2. Belo poeta
    quando deixamos formiguinhas
    joaninha escreve poemas
    ai já somos quintanianos
    o poema petalou nossas vida
    ... e lindo é quando vislumbramos
    o poema nas costas da joaninha
    mas lindo é como você poetou.

    Luiz Alfredo - poeta

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Contas

Eram contas de um colar pesado, Sem brilho, um tanto funesto Que alguém usava em volta do pescoço Como uma forma de p...