quarta-feira, 9 de maio de 2012

Inocência



O veludo das pétalas
Que mesmo efêmeras,
Se entregam à vida.

O brilho do luar
Que mesmo sendo emprestado,
Jamais se revolta.

A paz de um besouro
Que pousa,
E não se perde em perguntas.

A beleza do  entardecer, 
Que chega sempre antes,
Mas jamais se precipita.

Um cão que late, no meio da noite
Para lembrar-nos
Da continuidade.

Gotas de chuva caídas
De um céu que se abre
E se doa, inteiro!

Dia que amanhece, e traz
Um pouco de esperança
E renovação.

Inocência,
De ser, apenas,
Aquilo que se deve,
Sem cobrar
E sem dever!

Um comentário:

  1. Beleza e leveza nas palavras e nas fotos. Abrçs. Helena

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Até um Dia!

Olá, pessoal! Por motivos pessoais, estarei fora da rede durante alguns dias. Volto em breve! Abraços! ...