quinta-feira, 17 de maio de 2012

Passeio Pelos Jardins do Musem Imperial




Bem, a gente sempre planeja o dia. Para isto, existem as agendas. Mas nem sempre as coisas acontecem da maneira que desejamos, ou pelo menos, da maneira que planejamos.

Graças a Deus!

Quando almoço com meu marido, depois do almoço, damos uma fugidinha para passear nos jardins do Museu Imperial. Tanto a se fazer, horários a cumprir, decisões a serem tomadas. Mas tiramos alguns minutos de férias.

Andar por aqueles caminhos entre árvores centenárias é vivificante. A gente olha lá para cima, para as copas que abrangem todo o caminho, e sente que os problemas aqui em baixo não são tão importantes assim.

De repente, algo se mexe no meio das plantas, e sobe pelo caule de uma palmeira: um esquilo. E mais outro. Um sabiá dá um rasante sobre nossas cabeças, e uma cambaxirra canta em uma moita próxima. Turistas tiram fotografias, crianças de escolas de outras cidades correm pelo pátio. Alguns preferem sentar-se nos bancos de madeira e concentrar-se em seus livros.

Passa por nós o padre Geraldo, concentrado em sua caminhada. Lamento que ele esteja tão concentrado a ponto de não ver os milagres que acontecem a sua volta.

Aqueles jardins devem ser sorvidos vagarosamente pelo olhar do observador. Devemos pousar nossos olhos nos troncos musgosos das árvores, nos frutos dos pés de café, nas folhagens e nas flores. Prestemos atenção ao som dos nossos passos pelo chão de terra, quando pisamos em uma folha seca por acaso. Paremos alguns instantes a fim de apreciarmos os peixes no laguinho. Ouçamos os pássaros, encantemo-nos com os esquilos, saguis e com as ocasionais preguiças. Desfrutemos da linda vista do prédio do museu Imperial, e aproveitemos seus ângulos para tirar lindas fotografias.

Depois, podemos sair, sentindo-nos renovados e prontos para continuarmos nosso trabalho.

Chego em casa. Descubro que há uma mensagem na secretária eletrônica: meu aluno cancelou a aula. Lamento, no início. Ligo para ele, remarcamos para o dia seguinte. Depois, lembro-me que comprei um CD do Johnny Mathis. Já sei como vou passar o resto da tarde!



Crônica originalmente publicada no recanto das Letras

Um comentário:

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Contas

Eram contas de um colar pesado, Sem brilho, um tanto funesto Que alguém usava em volta do pescoço Como uma forma de p...