domingo, 6 de maio de 2012

Pássaro na Gaiola



Passarinho na gaiola
Jamais soube o que é ser livre...
Zomba, cantando entre as barras,
Do outro, que voa no céu!

Fala bem do seu alpiste,
Bebe a água do container,
Pula de um poleiro ao outro...

Passarinho descontente, 
Só finge que é feliz!
Morre de medo do gato
Que descansa sob a mesa...

Procura não cantar alto
Para que ele não desperte!
Recebe, cheio de  medo,
Os olhares das visitas
Que circundam a gaiola...

Passarinho que depende
De uma mão que o alimente,
Assovia de tristeza,
Mas aqueles que o ouvem
Pensam que é de alegria!

Ele fala do outro pássaro,
Acha que ele é escravo
Por procurar seu alimento
Na sina de cada dia!

Ele olha pelas barras
Da gaiola que o contém
E vislumbra o céu azul,
As verdes copas das árvores...
Sente certa nostalgia,
Mas quando o céu escurece,
Ele dá graças a Deus
Por sua gaiola segura!

Passarinho tem pavor
Da dor de ser esquecido,
Perde o brilho das estrelas,
Perde o voo até a lua!

Passarinho na gaiola,
Que triste destino é o teu!
Zomba, após a tempestade
Pela ave que morreu!

Mas não vê que ela cantou
E viveu intensamente,
Que sentiu toda a beleza
Do vento, passando ligeiro
Entre as penas de suas asas,
Desfrutou da liberdade
De escolher seu alimento,
Bebeu água do riacho,
Viu o sol se por nos montes...

Passarinho na gaiola,
Que um dia há de morrer
E de ser jogado fora
Por quem ele alimentou
Com a beleza de seu canto!

Ficará só a gaiola,
Melancólica, vazia,
E seu corpo pequenino,
Na lixeira atirado...

E assim, seu maior medo,
(que era o de ser esquecido)
Será, enfim, realizado.


 *************


Um passarinho livre de espírito sempre saberá o que fazer com sua liberdade.

11 comentários:

  1. Boa tarde Ana, triste sina de tais passarinhos, um dia já souberam o prazer de livres serem, mas escolhas são escolhas, deixam-se aprisionar com medo de experimentarem novos céus. E um dia aquele que os alimentaram em liberdade, irá jogá-los no lixo, da mesma forma que eles escolheram com total desprezo à viverem com quem os tratava com dignidade, serão desprezados até a hora onde tudo finda. Ana, a sabedoria não cabe à todos, mas a você, isso é parte e o todo.

    ResponderExcluir
  2. Eu sempre me embriago com a leitura de seus maravilhosos textos, mas nem sempre concordo, num todo, com a mensagem embutida. Nós vivemos na "gaiola da vida", é fato, somos algumas vezes felizes, outras nem tanto. O passarinho que nunca voou livre não é, a meu ver, infeliz, pois ele tem seu próprio canto e vive protegido. Seriam os outros passarinhos que já nasceram livres mais felizes que esses "pobres passarinhos engaiolados"? Pois a liberdade é relativa, nem para muito, nem para pouco. Os passarinhos livres não estão livres do assédio dos outros passarinhos, precisam demonstrar responsabilidade e esperteza para sobreviverem... . O difícil mesmo é nos adaptarmos às regras. Um abraço

    ResponderExcluir
  3. no lixo, seco e teso...aaafff bjuuu boa semana garota...

    ResponderExcluir
  4. Ana,que comovente e triste sua poesia!Uma msg de grande sabedoria!Bjs e meu carinho!

    ResponderExcluir
  5. A liberdade tem um preço, assumirmos as responsabilidades por tudo em nossa vida... Magnífico seu poema... Belíssimo poema! Parabéns! E que Deus nos abençoe... Sempre...

    ResponderExcluir
  6. É triste e deprimente viver preso numa gaiola....Lindo Ana!! Bjsss

    ResponderExcluir
  7. que fofo, acompanhado de uma belíssima poesia, amei!

    ResponderExcluir
  8. A liberdade é uma asa
    que vale a pena
    um vale de um horizonte azul
    que nem o olhar pode alcançar
    e no fim o que vale é o poema
    com versos livres
    como um passarinho
    sem gaiola sem alpiste
    porque com as asas livres
    pode beber a água do riacho
    comer os cachos de grãos
    selvagens.


    Luiz Alfredo - poeta.

    ResponderExcluir
  9. O pior é que soltos não saberão viver. Linda e triste poesia.

    ResponderExcluir
  10. Que lindo!!Voce sempre abrilhantando ás páginas com sua sabedoria e bom gosto,admiro todo seu trabalho literário.
    Parabéns!!
    At,
    PEQUENA DIFERENÇA.

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Não Tenho Mais Nada Contigo

Estou escrevendo estas linhas  Só para deixar bem claro: Não tenho mais nada contigo. Teu rosto não faz mais figura...