segunda-feira, 21 de maio de 2012

A PRAIA





No mar onde ela se banha

Misturando os dois sais

Acontecem

Coisas estranhas...


Vozes vindas do fundo,

Que se desmancham nas vagas,

Sereias que se arrebentam

Contra as pedras,

Pálidas e magras.


Conchas fechadas de segredos

Jogadas na areia

Permanecem fechadas

Por puro medo.


No mar onde ela se banha

Existem tristes naufrágios

Almas transparentes mescladas à agua,

Que trazem estranhos presságios.


Águas-vivas mortas de sono,

Queimam peixes que nadam descuidados,

Tubarões ferozes insaciáveis

Mostram seus dentes brancos e afiados...


No mar onde ela se banha

E, timidamente, ressona e sonha,

Uma vida boia, descontente...

Incapaz de driblar, da alma,

A insônia.


Publicado em: 07/06/2011 08:37:01

Um comentário:

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Ah, os Italianos! - Parte II

Pôr do sol em Florença... jamais esquecerei. Continuação do texto anterior LIXO – Quando fui jogar o lixo fora pela pri...