quarta-feira, 2 de maio de 2012

O Ar que tu Respiras



Não desejo jamais ser
Esse ar que tu respiras,
Porque um dia, eu te falto,
Porque um dia, eu me vou,
E ficas a sufocar...

Não quero ser a razão
Dessa tua pobre vida...
Porque  um dia, eu morro,
E a tua dignidade
Fica num canto, caída!

Não desejo ser a fonte
Pra molhar tua garganta,
Porque um dia, eu seco,
E tu ficas à minha margem
Morrendo, aos poucos de sede...

Não quero ser o teu ar,
Tua razão, tua fonte,
Mas quero ser teus pulmões,
Tua vida, tua sede,
A paz que deita contigo
Ao teu lado, em tua rede...
       

5 comentários:

  1. sempre lindo do inicio ao fim .... !!!!! olguinha

    ResponderExcluir
  2. Ana, o fecho da poesia é de dobrar a alma. Lindo. Boa noite pra ti.

    ResponderExcluir
  3. Uauau Adorei Ana,última linha do último verso,show=
    "quero ser A paz que deita contigo,Ao teu lado,em tua rede.
    Qual amante não gostaria de ler uma declaração assim,teu amor
    deve estar nas nuvens.Sucesso amiga.Bjus\Flor*

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Mandrágora

Teu Nome – raiz de mandrágora Perpassando o meu caminho, Me fazendo tropeçar... Um dragão adormecido Em isolada cave...