terça-feira, 8 de maio de 2012

À JANELA



De repente, soa um trovão distante, e começa a ventar. Logo, o trovão é seguido por outros, cada vez mais próximos, enquanto as nuvens no céu começam a tornar-se um único bloco de chumbo, e a menina, encantada, olha para as enormes folhas secas que rodopiam no ar, perseguindo-as, tentando apanhá-las antes que toquem o solo.

Na cozinha, a mãe interrompe sua lida. Lava a colher de pau que usa para mexer as panelas, batendo-a na beirada da pia para escorrer a água, pendurando-a na beirada da tampa do fogão. Chama pela menina: "Vem pra dentro! Está armando temporal!"

Mas ela finge que não ouve. Senta-se nos degraus da cozinha, enquanto a chuva começa, chegando de fininho, e depois, engrossando. Ela ouve uns estalos, e de repente percebe que pequenas bolinhas de gêlo começam a cair junto com a chuva. As bolinhas transparentes quicam no solo de terra batida, e correndo para pegar uma delas, ela toma a pedrinha na mão e leva à boca. Nisso, sente uma mão firme que a ergue pelo braço: "Endoidou, menina? Vai ficar tomando chuva,agora? Não escutou eu chamar?"

Enquanto a mãe a leva para dentro, a menina protesta: "Mas, mãe, tá nevando!" "Não é neve, é granizo! Que idéia..."

Dentro de casa, a mãe volta às suas panelas, mas não sem antes fechar a vidraça da cozinha. A menina corre para a janela do quarto, para ver a chuva cair. Neste momento, a chuva e o granizo caem tão fortes sobre o telhado de zinco, que o barulho torna-se ensurrecedor. A menina olha as pequenas enxurradas que se formam no quintal, e imagina serem rios. Um passarinho atrasado pousa num galho de pessegueiro, abre as asinhas encharcadas, sacode-se, e segue seu caminho, voando na tempestade, talvez tentando chegar à segurança do ninho.

"Mãe, vem ver a chuva!"

A mãe não resiste ao apelo, e enxugando as mãos no pano de prato, baixa o fogo das panelas e vai ficar ao lado da filha, à janela. A menina descreve a paisagem, apontando os detalhes que lhe parecem interessantes, como uma formiga que passa na enxurrada, sobre uma folha seca: "Ela pegou uma canoa, mãe!" Logo, estão conversando sobre assuntos amenos, como o dia-a-dia na escola, as coleguinhas, os professores...

Como se trata de uma chuva de verão, ela logo passa, mas deixa no céu de fim de tarde um lindo arco-íris, que a mãe aponta para a menina ver melhor: "Viu? Que bonito, um arco-íris!" "Do que eles são feitos, mãe?" Ela respira fundo, e pensa se vale a pena explicar a menina de uma maneira científica, de quê os arco-íris são feitos. Acha que ela ainda não vai entender. "Eles são feitos de luz. representam o encontro entre Deus e o homem." A menina iria lembrar-se desta explicação muitos e muitos anos mais tarde, após o enterro do pai, no momento em que, ao olhar para trás, ela viu quando um arco-íris igualzinho aquele apareceu por sobre o túmulo...

De repente, a mãe passa os braços em volta do ombro da menina, dizendo: "Você tem o poder de tornar os problemas sempre menores." Uma frase da qual ela também se lembraria, muitos anos depois...

Já começa a escurecer, e a mãe liga a TV para que a menina assista ao Festival de Desenhos, antes do jantar. Ela fecha a janela.

Do lado de fora, vê-se a casinha branca de janelas cinzentas, emoldurada pelo céu avermelhado do crepúsculo, as luzes acesas iluminando as vidraças.

2 comentários:

  1. Bom dia Aninha.
    Ao ler, fui levada ao passado não tão distante, mas que mudou a minha vida e a de minha família: Chuvas de granizo que pode, para uma criança até ser "aventura" mas que na realidade tornam-se as "pérolas" da ruína! E para nós foram! Pela quinta vez consecutiva fez com que abandonássemos o campo...
    Adorei vc me lendo lá no MINDIM DA lUNA! E vim retribuir a visita, sendo tbm sua seguidora.
    Um beijo com carinho.
    Ivany
    vanful.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. O mais incrível é esse conseguir transformar coisas sérias com visão de leveza. Sempre me pergunto, porque quando crescemos temos que perder esse jeito de fazer tudo mais leve? Linda crônica Ana.

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

AH, OS ITALIANOS! - Parte I

Eu em Veneza - Gondoleiro! Durante nossa curta estadia na Itália, não ficamos em hotel. Alugamos um pequeno apart...