quinta-feira, 24 de maio de 2012

Automarketing - artigo


Automarketing

Automarketing pode ser definido como "conjunto de estratégias e ações que preveem o desenvolvimento, o lançamento e a sustentação de um produto ou serviço no mercado consumidor", no caso... o próprio indivíduo envolvido na ação. (fonte: Yahoo Respostas)

O marketing existe desde que o comércio existe.  Ele é necessário para que um produto torne-se conhecido pelo público, e que atraia consumidores ou usuários. Todo mundo já comprou algum produto porque o interesse por ele foi despertado através de uma propaganda vista na TV, jornal, revista ou outro meio de comunicação. É claro, o marketing também tem seus exageros, ao tentar convencer-nos de que alguns produtos perfeitamente descartáveis são essenciais à sobrevivência. Daí, precisamos usar  o nosso poder de discernimento e bom-senso.

Algumas pessoas consideram antiético fazer propaganda de si mesmo, mas pensem bem: em uma entrevista de emprego, por exemplo, precisamos destacar as nossas qualidades pessoais e qualificações profissionais para o emprego desejado, ou jamais o obteremos! Precisamos fazer a nossa propaganda, e hoje em dia, existem cursos para que as pessoas aprendam a se promover.

Imaginem a seguinte cena (e acredito que quase todos já passaram por isso):

Você está na escola. A professora faz uma pergunta à qual você sabe a resposta, pois é um aluno aplicado e estudou o assunto; mas sua mãe ensinou-lhe a virtude da modéstia e da humildade, que significa, entre outras coisas, dar a vez aos outros para que eles se destaquem, e evitar mostrar o que sabe. Bem, voltando à sala de aula: silêncio na classe. Você sabe a resposta, e ela queima na ponta de sua língua, mas  precisa ser modesto. Você vê o colega pesquisando apressadamente a resposta no livro, sem que o professor veja, e de repente, ele levanta a mão e dá a resposta – que você sabia o tempo todo por mérito, e não por ter ‘colado.’ Assim, excesso de humildade e modéstia também faz mal. E que mal!

Todos nós precisamos demonstrar confiança no que fazemos, ou jamais obteremos a confiança das outras pessoas quanto aos nossos serviços e capacidades, mesmo que sejamos muito bons! E no mundo competitivo em que vivemos (não estou aqui afirmando que concordo com a competição desenfreada na qual estamos inseridos, apenas cito-a como um fato), necessitamos, literalmente, aparecer!

E todos nós sentimos esta necessidade, seja ela em um contexto profissional ou pessoal. Até mesmo você, que escreve um blog, ou jamais o escreveria.

Não há nada de errado com a autopromoção, desde que ela não venha acompanhada de exageros e presunção. Pensemos em um contexto, digamos, mais ‘caseiro:’ quando faço um bolo de chocolate e ele fica delicioso, sirvo-o aos meus alunos ou convido alguém para comê-lo. Fiz algo que eu acho que ficou bom, e desejo partilhá-lo… os elogios que possam fazer à minha criação, farão com que eu me sinta feliz e orgulhosa, e se alguém disser: ‘Falta um pouco mais de açúcar,” mesmo que eu não concorde, com certeza eu pensarei sobre o assunto e tentarei acertar na próxima vez.
Até hoje, eu não consigo compreender a lógica das pessoas que dizem ser contra o automarketing. Elas consideram errado demonstrar apreciação por uma coisa que elas mesmas criaram. Bem, cada um tem o direito de pensar como quiser, mas eu prefiro o automarketing à falsa modéstia.

10 comentários:

  1. Como dizem minhas filhas: Mãe você é uma narcisista. Uai, não vejo mal nisso, e como vc disse, a competição não sendo doentia e passe por cima dos outros, é até saudável. É preciso muita baixa estima para negar que não queremos em alguma área da vida nos destacarmos. Muito bom Ana. Sabe aquela música: EU ME AMO, EU ME AMO, NÃO POSSO MAIS VIVER SEM MIM...? mais ou menos isso. Boa tarde procê.

    ResponderExcluir
  2. Sabe... às vezes a gente quer falar sobre algo que fez e se sente tão orgulhosa por ter conseguido e feito... mas quantas vezes acham até que é uma maneira de querer aparecer! Hoje, parece que virou crime dizer que sente orgulho porque fez algo, ou porque vive de determinada maneira, ou que adora contemplar a natureza... tudo parece uma ofensa... acho que ofensa é o roubo, a violência, a incitação a tantas coisas ruins! Acho que é legal mostrar o que se aprendeu, o que se sabe fazer... excelente seu texto! Sabe, Ana... hoje estou lendo-a com os olhos do coração! Conhecendo a pessoa bacana que é a Ana Bailune! Beijos na alma!

    ResponderExcluir
  3. Boa noite Ana, eu sempre me promovi, e sempre paguei cara por isso, mas não desisti, pois dependia do meu trabalho pra viver, e ninguém faria essa tarefa em meu lugar, porém as pessoas se sentiam agredidas à proporção que o tempo passava, e eu comprovava na prática o que dizia, e algumas chegavam a rir, achando que eu não estava sendo modesto, ou exagerando nas afirmações... Minha esposa foi quem primeiro percebeu e me alertou a respeito, então passei a ser mais cuidadoso na forma, pra transformar os colegas em aliados e não em adversários... Resumindo, é ético, sadio e deve ser feito, mas como tudo que é bem sucedido, com sabedoria... Parabéns! E que Deus nos abençoe e nos ilumine... Sempre...

    ResponderExcluir
  4. muita coisa na vida nao me preocupa, essa, por exemplo... o dominador nos ensina muita coisa, uma delas a filosofia do 'eu sou nada'... eu mostro o que faço e o que sei e posso fazer, é meu domínio, meu conhecimento e o faço com muito orgulho de ser como sou de fazer como faço... ah parabens pela autopromoção rsrs bjuuu

    ResponderExcluir
  5. Olá, Isa! Ninguém é obrigado a comer um bolo de chocolate quando não o aprecia. basta dizer, educadamente: "Obrigada, mas eu não gosto de bolo de chocolate." A cozinheira compreenderá, e nunca mais oferecerá. Mas ela ficará mortalmente ofendida se o convidado falar mal de um bolo que ele nem sequer provou, às outras pessoas.

    ResponderExcluir
  6. Oi Ana, também não vejo nada de errado em reconhecer as próprias qualidades - pessoais ou do trabalho. Por aqui, não percebo as pessoas tendo esse tipo de pensamento. Se têm algo bom pra mostrar, o fazem, sem culpa, sem exageros. Acho que casa melhor com a idéia de partilhar do que com a de vender uma imagem ou autopromover-se. Um abraço fraterno, inté!

    ResponderExcluir
  7. todos nós gostamos quando alguem gosta de algo q fazemos. seria estranho nao gostarmos. existem exessos e humildade demais é preciso mesmo achar equilibrio . ótimo texto Ana. boa noite ! bjo olguinha

    ResponderExcluir
  8. Isa, não sei o motivo pelo qual você veio postar comentários ofensivos em meu blog, mas você me mandou um email onde diz que te avisaram da minha agressividade. Isso é um teste? Pois se for, você venceu. Sou realmente muito agressiva com pessoas que gostam de me provocar e tentar me tirar do sério. Repito aqui o que escrevi no email que você me mandou: espero que você e seus amigos fofoqueiros tenham um ótimo final de semana. Não me importo com o que eles ou você pensem de mim.

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

VOLTANDO...

Veneza Olá, pessoal! Estive fora por uns dias, realizando um grande e muito antigo sonho: conhecer a Itália! Foi uma experi...