quarta-feira, 9 de janeiro de 2013

Sopro Divino





Sentirás alívio
De repente,
E não saberás
Quem levou-te a dor,
Ou de onde veio
A doce brisa
Que te aliviou.

A tua angústia
Voará aos céus
Inesperadamente,
Sentirás alívio
Transcendente,
Teus passos, mais leves,
Teu riso, voltando...

Verás que teu pranto
Secando,
Trará novamente
A paz desejada...
Não perguntes nada,
Nem de onde veio;
Sentirás alívio,
Aceite, somente.

Um comentário:

  1. Sim assim se processa nesta viagem pouco entendida,mas que se faz necessaria para a continuidade e que seja tão bela como esta poesia, que nos leva a uma reflexão.
    Que seja um lenitivo Ana.
    Um abração.

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

É QUE ÀS VEZES, O ADEUS PESA...

Não, não pude olhar para trás,  Atravessar aquela rua, Ir ao pé da tua janela E me despedir. Não, eu  não pude hes...