sábado, 19 de janeiro de 2013

A Flor




A flor soltou-se,
Desprendeu-se,
E, bailando em rodopios,
Voou com o vento,
Entregou-se.

Ainda havia
Beleza nas pétalas,
Ainda havia 
Uma cor em seu centro...

A flor sobre a pedra,
Numa entrega
Ao seu destino...


8 comentários:

  1. Oi minha poeta preferida, bom dia!
    Não poderia ser melhor poder abrir meu sabado com esta beleza de FLOR em versos, sob o signo de Ana Bailune!

    Lindo, simples e meigo.

    Encantou-em as corujinhas, sou fã delas!!

    ResponderExcluir
  2. Ai Ana,coisa linda de poesia!Um ciclo que também passamos como essa flor.Seu blog está muito florido,adorei!bjs e bom fim de semana!

    ResponderExcluir
  3. Belo por demais este poema sobre a flor... Parabéns!

    ResponderExcluir
  4. Oi Ana! decobri onde likar para entrar no seu blog, sou aprendiz mesmo!
    Obrigada pela vista e por deixar lindos comentários.
    Adorei sua poesia. Oela me fez lembrar: a rosa é linda e mesmo com suas folhas secas caindo, conserva o perfume e a beleza. Assim tem que ser a vida, cada faze que vivemos devemos nos amar e curtir, viver como se cada dia fosso o último!!
    Bjuss fica na paz de Deus.

    ResponderExcluir
  5. Ainda com beleza ela se vai, mas não renega o destino. Cumpriu, com louvor, a sua missão. Bjs.

    ResponderExcluir
  6. Veio escrever seu destino
    na pedra
    suas palavras escritas
    com as pétalas pendidas
    que vou ao vento
    que desprendeu-se da haste
    do jardim
    dos campos
    enfim
    sem beija-flor
    sem abelhas
    escreveu seu epitáfio
    na pedra

    mui belo poeta!

    Luiz Alfredo - poeta

    ResponderExcluir
  7. Linda e encantadora poesia Ana! Ao lê-la, entrei em devaneios e voei junto com as pétalas da flor! Seu blog faz muito bem aos olhos e à alma! Neste domingo ( 20/01/13) logo pela manhã fui contemplada com tão lindos versos!

    ResponderExcluir
  8. Uma flor
    Teve seus momentos
    Puros sentimentos
    De pássaros
    Voou pelo seu azul
    Nas asas do vento
    Pétalas de cata-ventos
    Desprendida da haste
    Da raiz interior
    Pousou na pedra fria
    Agora sua lágrima murchou
    O orvalho emudeceu
    O néctar arrefeceu
    O colibri é um sonho
    Subjetivo
    Sua vida é uma pedra
    Aonde veio escreve
    Seu penúltimo verso
    Vislumbrar o universo
    E escrever seu epitáfio
    No seu último jardim
    Ou quem sabe
    Veio ensinar a pedra
    Os mistérios de uma flor
    Um pouco de sentimento.

    Luiz Alfredo - poeta



    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

É QUE ÀS VEZES, O ADEUS PESA...

Não, não pude olhar para trás,  Atravessar aquela rua, Ir ao pé da tua janela E me despedir. Não, eu  não pude hes...