quarta-feira, 30 de janeiro de 2013

Não Vês?...




Sinta essa brisa que atravessa o tempo,
Levando com ela cada tentativa
De conter o momento!
Não vês? - Vamos com ela,
E a qualquer momento,
Um rodopio, um desatino,
E ela torna-se tormenta!

Não use as unhas
Para arranhar as almas,
Nem as palavras
Transformem-se em tijolos
Entre ti
E aqueles a quem tu amas - ou não amas?

Não vês as dores que provocas,
Não sentes o quanto, a cada dia,
Trancas os outros em tocas
Separadas umas das outras?

Melhor seria se pudesses
Respirar mais devagar,
E mais profundamente,
Dando espaço para que cresçam
As sementes
Que tentas sufocar!

Não vês?  A vida é um cliché,
A vida é curta, 
A vida é uma só,
A vida é um mistério,
A vida 
É tudo aquilo que ainda não aprendeste!

Inclina a dureza
Do teu pescoço
E veja,
Com um pouco mais de clareza
Aquilo que o teu orgulho
Transforma em tristeza!
Antes que seja tarde,
Enquanto ainda há tempo...






2 comentários:

  1. Que leitura especial fiz agora!
    Cada verso uma verdade reprimida...
    Tão bom viver respirando lentamente cada momento,
    e deixando que as sementes germinem...
    Linda poesia!
    Su

    ResponderExcluir
  2. Quanta verdade nessa beleza de poesia!Um convite a viver a vida com mais leveza!Ana, vc sempre maravilhosa em seus versos!bjs,

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

AMANHECEU

Amanheceu novamente Sobre as igrejas e telhados dos que ainda dormem E dos que jamais despertarão. Amanheceu sobre as p...