quinta-feira, 17 de janeiro de 2013

Estranha Melodia





Foges,
E na tua fuga
Os monstros que tu temes,
Durante a noite,
Tomam formas mais terríveis,
E tu nem percebes
O quanto eles
Crescem.

Na tua partitura,
Escreves
Estranhas melodias,
Sonatas de medos,
Valsas falsas,
Minuetos de segredos,
Noturnos
Sempre taciturnos.

A tua orquestra
Não presta!
Não animarás a festa,
Não convencerás a platéia...

E as tuas ideias
Presas nas teias dos sentidos
Agonizam em colcheias,
Morrem em bruscos sustenidos,
E bemóis sofridos.

Não há sol na tua clave!

E antes
Que tudo se acabe,
Examina a partitura,
E encara a sinfonia dura
Que tu mesma compuseste,
Não deixes para depois
Esse enfrentamento,
Pois tua pauta
É tua vida,
E tua música,
É teu sustento.


3 comentários:

  1. Isso é o que eu chamo uma belíssima, lindíssima maneira de "botar o dedo na ferida"
    Há momentos de pura delícia, neste texto, repleto de~sibilantes insinuações musicais ( amei as valsas falsas!)
    Beijo, poetisa!

    ResponderExcluir
  2. Well, eu nem sei mais o que dizer diante desta enxurrada lírica que escorre dessa veia poética e que alimenta os pobres mortais de uma terra esquecida no tempo, onde a poesia anda estampada tão somente em corações/cavernas - feito os nossos, amiga?!

    O poema todo é lindíssimo, impecável, mas... teve uma frase aí que bastaria por si só o poema inteiro:

    "NÃO HÁ SOL NA TUA CLAVE"
    (eu queria ter escrito isso) rs

    * Miga, vc tem alegrado meus dias com teus poemas, tá, só pra registrar...
    FUI

    ResponderExcluir
  3. Tente ouvir Beethoven, talvez fique mais inspirado... Belo poema amiga!

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

O que Tem na Sua Playlist? Uma Interação

Inspirada por um comentário de paulo Bratz a um de meus posts, que fala sobre um aparelho de som que comprei na Black Friday,...