domingo, 25 de março de 2012

ESTÁTUA ENTERRADA






No meio da lama, a face
Encovada.
Dura, rígida, de pedra,
Órbitas vazias,
Face rachada.


Era a face de um santo,
Mas não sei qual santo era,
Tinha as palmas bem unidas,
E um semblante de fera.


Desenterrei, com as mãos,
O resto da estátua.
Meu sangue pingou no chão
Pela fé desenganada...


Santo, santo, se ao menos
Eu soubesse teu nome,
Quem sabe, falava contigo
Sobre a minha fome...




2 comentários:

  1. Parabéns pelo texto. Retrata uma realidade dentro da realidade em vigência, muito embora não seja visível a cada pessoa... Certamente a realidade poderia ser mais real. Agradeço teu comentário ao texto NOS BASTIDORES DAS PALAVRAS, POSTADO ESSA MANHÃ, no RH e no fronteiras da fé. Abraços.

    ResponderExcluir
  2. então.............quem escreve isso ?? (fera é voce).... maravilhoso MARAVILLLLLLHOSOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOO olguinha

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Contas

Eram contas de um colar pesado, Sem brilho, um tanto funesto Que alguém usava em volta do pescoço Como uma forma de p...