terça-feira, 20 de março de 2012

BARCOS








Barcos




Os barcos dormem sobre a calmaria,

As leves ondas embalando os cascos...

No céu, as nuvens os cobrem de branco

E de azul, enquanto os barcos dormem...




Barcos vazios, esquecidos barcos,

Que navegaram tantos outros mares!

Atravessaram tantas tempestades,

E hoje merecem o cais que os acolhe...




Talvez um dia eles sintam saudades

De navegar, singrando as ondas altas,

Pois afinal, são barcos, são do mar,

E o naufrágio não provoca medos...







5 comentários:

  1. Sabe Ana, antes de falar da longitude do poema, quero agradecer o convite que me chega a visita-la. Fico feliz de ter o privilegio de ir onde esta sua letra. A mim sempre impressiona a força e coragem de um barco, que enfrenta um dos mais fortes elementos....a agua....****Entao, em seu blog nao ha como seguir????Cade a opcao de seguir??? Caso queira me visitar, minhas portas estao abertas para voce: elizdelia.blogspot.com. Grande abraco!!! Lia Folhinha.

    ResponderExcluir
  2. Para mim ,singrar os mares é um vislumbre,portanto
    falar de barcos ,mares,é uma vida cheia de mistérios
    que me envolve.Tocante teu poema.Sucesso.Bjus\Flor*

    ResponderExcluir
  3. Mar,navegar,amar, nada como estar de frente
    para esta imensidão azul a se inspirar.
    Bela imagem inspiradora ANa.
    Meu abraço.

    ResponderExcluir
  4. barcos que navegaram outros mares...vazios , esquecidos barcos, naufragio nao lhe provoca medos. MARAVIIILHOSO. imagem linda .bejim de boa noite moça corajosa . !!! olguinha

    ResponderExcluir
  5. Olá, ANA BAILUNE! Boa tarde! Que DEUS ilumine seus passos! @@@ Nossas vidas são pautadas no navegar do nosso barco; e aquele que tem DEUS como timoneiro com certeza estará em águas calmas... Mas o melhor é que sendo DEUS o capitão de nosso barco temos certeza de que chegará em porto seguro. ### Eu, ALEIXENKO OITAVO, Primeiro Ministro do Reino de Gorobixaba te saúdo na amizade e na paz.

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Contas

Eram contas de um colar pesado, Sem brilho, um tanto funesto Que alguém usava em volta do pescoço Como uma forma de p...