quarta-feira, 28 de março de 2012

VOO INFINITO






VOO INFINITO



Ah, pobre pássaro afoito!

Deixou-se seduzir pelo azul mortiço

De um céu que era teto,

E não infinito...

daquele breve voo,

Só restou a saudade,

Pois um voo de liberdade,

Não é feito só de asas!...


É preciso o vento,

Passando entre as penas,

E uma vontade firme

Que una o pássaro ao voo.

E que tudo se dê

Em uma manhã serena,

Culmine ao meio-dia,

E sobreviva ao por do sol.


À noite, há de se ter um ninho,

Que sirva de abrigo

Até o momento certo,

O do voo infinito...




3 comentários:

  1. O PÁSSARO CAIU DO PENHASCO. MENINA, POSSO DIZER. A MENINA PÁSSARO DA PENHA CAIU. EMPEDRA CORAÇOES PATERNOS. DESCULPE-ME SENHORA BAILUNE, MAS SUA POESIA ME FEZ LEMBRAR DA MENINA.

    ResponderExcluir
  2. Muito lindo o que escreves, passa sentimentos e encanto em cada verso! Muito bom! beijos ♥

    ResponderExcluir
  3. INTENSO !!! MEGA LINDO....... (OLGUINHA)

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Não Creem em mim

Não creem em mim quando eu digo Que eu a vi, Bem ali, naquela nuvem Que desliza entre as duas montanhas. Eu te diria,...