quinta-feira, 29 de março de 2012

A ESPERANÇA





A esperança teceu sua longa trança
Cuidadosamente, aos fios dos meus cabelos.
Por muito tempo, te confesso, adormeci
Tendo esta trança enrodilhada entre meus dedos.

Atrás de mim a arrastei pelos caminhos,
E vez ou outra, ela prendia-se entre espinhos,
E por mais dor que me causasse a minha andança,
Estava eu sempre a arrastar a esperança!

Dela eu vivia, adormecia, despertava,
Sem perceber quão lentamente eu caminhava!
Devido ao peso da esperança alimentada,
Presos meus passos à esperança que arrastava!

Até que um dia, a esperança enfim, morreu.
Tornei-me livre, muito mais leve, bem mais eu!



anabailune

6 comentários:

  1. Lindo Dia Ana.Expressiva e Reflexiva poesia.Sucesso.Bjus\Flor*

    ResponderExcluir
  2. Cara Ana, mui lindos estes teus versos! Fico feliz de te encontrar aqui e ter o prazer de ler os teus escritos, sempre tão interessantes! Um abraço!
    Angela Rolim

    ResponderExcluir
  3. ARRASTAREI A MINHA ESPERANÇA POR ENTRE ESPINHOS E DENTES CANINOS PARA VER ANABAILUNE NO RECANTINHO.SOU CHATINHO.

    ResponderExcluir
  4. Que lindo,guria!! Esperança sempre haveremos de ter!beijos,chica e lindo fds!

    ResponderExcluir
  5. lindamente elaborado !!!!! boa tarde Ana !! olguinha costa

    ResponderExcluir
  6. Sempre um prazer novo em ler-te! Marília L.Paixão

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Contas

Eram contas de um colar pesado, Sem brilho, um tanto funesto Que alguém usava em volta do pescoço Como uma forma de p...