quinta-feira, 29 de março de 2012

A ESPERANÇA





A esperança teceu sua longa trança
Cuidadosamente, aos fios dos meus cabelos.
Por muito tempo, te confesso, adormeci
Tendo esta trança enrodilhada entre meus dedos.

Atrás de mim a arrastei pelos caminhos,
E vez ou outra, ela prendia-se entre espinhos,
E por mais dor que me causasse a minha andança,
Estava eu sempre a arrastar a esperança!

Dela eu vivia, adormecia, despertava,
Sem perceber quão lentamente eu caminhava!
Devido ao peso da esperança alimentada,
Presos meus passos à esperança que arrastava!

Até que um dia, a esperança enfim, morreu.
Tornei-me livre, muito mais leve, bem mais eu!



anabailune

6 comentários:

  1. Lindo Dia Ana.Expressiva e Reflexiva poesia.Sucesso.Bjus\Flor*

    ResponderExcluir
  2. Cara Ana, mui lindos estes teus versos! Fico feliz de te encontrar aqui e ter o prazer de ler os teus escritos, sempre tão interessantes! Um abraço!
    Angela Rolim

    ResponderExcluir
  3. ARRASTAREI A MINHA ESPERANÇA POR ENTRE ESPINHOS E DENTES CANINOS PARA VER ANABAILUNE NO RECANTINHO.SOU CHATINHO.

    ResponderExcluir
  4. Que lindo,guria!! Esperança sempre haveremos de ter!beijos,chica e lindo fds!

    ResponderExcluir
  5. lindamente elaborado !!!!! boa tarde Ana !! olguinha costa

    ResponderExcluir
  6. Sempre um prazer novo em ler-te! Marília L.Paixão

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

AMANHECEU

Amanheceu novamente Sobre as igrejas e telhados dos que ainda dormem E dos que jamais despertarão. Amanheceu sobre as p...