domingo, 25 de março de 2012

Palavras







Para um bom entendedor
Meia palavra não basta...
A metade de uma letra
Jamais forma uma palavra.

Pelo crivo que me passas
De mim, quase nada resta,
E no fim da tua festa
Meu champanhe se estraga.

A metade de uma boca
Jamais diz alguma coisa
Que nos seja inteligível
Que nos faça algum sentido...

A palavra, se cortada,
Só dirá meias verdades,
Palavras despedaçadas
Em algum texto ilegível.

Que a beleza sobreviva,
Que a verdade seja dita,
E, que de cabeça erguida,
Caminhemos nessa lida!...



6 comentários:

  1. Concordo contigo Ana,tem ditos populares antigos que se meia palavra valia,deveria ser porque haveria meio cérebro.Sucesso.Bjus\Flor*

    ResponderExcluir
  2. Sábia e criativa sua poesia, Ana querida. Adorei, também de sua visita. Beijo

    ResponderExcluir
  3. Ana, só hoje consegui vir visitar o seu espaço. Fico triste com a censura que colocaram no Recanto. Triste e com raiva. Mas você realmente não tem que se submeter a este tipo de coisa. Esse teu blog está realmente muito bonito! Gostei demais de sua poesia que nunca é óbvia, que sempre nos força a um outro pensar... A metade de uma palavra, a metade de uma boca, a metade de uma expressão... Realmente, assim não dá, não se pode viver pela metade. Bom te ler novamente.

    ResponderExcluir
  4. Observação: É a Priscila Silvério - Recanto das Letras...

    ResponderExcluir
  5. Ana, só hoje consegui vir visitar o seu espaço. Fico triste com a censura que colocaram no Recanto. Triste e com raiva. Mas você realmente não tem que se submeter a este tipo de coisa. Esse teu blog está realmente muito bonito! Gostei demais de sua poesia que nunca é óbvia, que sempre nos força a um outro pensar... A metade de uma palavra, a metade de uma boca, a metade de uma expressão... Realmente, assim não dá, não se pode viver pela metade. Bom te ler novamente.

    ResponderExcluir
  6. VOLTAAAAAAAAAAAAAAA PROOOOOOOOOOOOO RECANTP ANA' TE QUEREMOS DE VOLTAAAA!!!!!!!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Ah, os Italianos! - Parte II

Pôr do sol em Florença... jamais esquecerei. Continuação do texto anterior LIXO – Quando fui jogar o lixo fora pela pri...