quarta-feira, 21 de março de 2012

Jamais Peço Perdão!






Jamais peço perdão

Se não estou errada,

Não embarco por escolha

Em canoa furada,

Não calo a minha voz,

Não entro em contra-mão,

Não deixo o eu por nós,

Eu não peço perdão!




Não costumo voltar

Pra onde não me querem,

Não choro por aquilo

Que já não mais me serve...

Meu viver é tranquilo,

Eu não me aborreço

Mas eu sou toda ouvidos

Para perdoar seu erro!




Só não venha pedir-me

Para que eu me desculpe,

Pois nada fiz de mal

Para que alguém me culpe!

Jamais peço perdão

Se eu não estou errada,

E nem sou de chorar 

Por água derramada!




Existem sempre aquele

Que aponte e que me julgue,

Sem tentar compreender

Os meus reais motivos..

Existe uma coisinha

Que muito me atrapalha:

Acima da saudade

Coloco a dignidade!




Não, eu não peço perdão

A alguém que me destrata,

Me pisa, me escurraça,

Depois, diz que me ama...

Mentira eu não aprovo,

Não quero fazer drama,

Qual cobra, eu me renovo

Me solto dessa trama!




Não sou de me arrastar

Por onde não me querem,

Andar por entre sombras

Ter a boca tapada!

Eu não peço perdão,

E se depender disso

É o fim da nossa história,

E vai ficar por isso...






14 comentários:

  1. hehehe Mostre quem manda amiga.Reflexivo.Bjus\Flor*

    ResponderExcluir
  2. Muito bonito, além de afirmativo. Parabéns amiga!

    ResponderExcluir
  3. Muito agradecido.Os meus parabéns.
    Sinceramente,seus poemas deliciam.Aproveito para desejar-lhe uma Santa Pascoa.

    ResponderExcluir
  4. bem real , recado bem mandado..... é isso Ana , cada um sabe de si , e que voce sinta-se bem é o principal. na verdade só a propria pessoa sabe o que sente. então de minha parte , eu não te peço mais pra voltar viu .... prometo ! um beijo de boa noite !

    ResponderExcluir
  5. Não sei Ana, sinceramente, acho que está dando importância demais aos desafetos e de menos àqueles que gostam de você. Essa é a minha opinião. Não é uma questão de dignidade, mas sim de orgulho, talvez. Bom, desculpe a sinceridade. Quanto à censura, sempre existirá, existe. A maior descoberta de todos os tempos foi a comunicação escrita. Não é pra menos que ela resiste a tudo. Até à tecnologia, ao virtualismo. Apenas vai se moldando à época. Assim em contrapartida haverá quem queira que se cale, quem queira apagá-la. Não acho que afastando-se vá contribuir para que essa censura seja amenizada, pelo contrário. Calou-se.
    Novamente, mil desculpas. Já que novata sou no Recanto. E desculpe se escrevi demais. Mas considere de verdade todos que aprenderam a amá-la e respeitá-la antes de dar a vitoria aos que desejaram sua saída.
    Beijo.
    Almma

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Almma! Obrigada pelo seu comentário... mas eu não estou falando das pessoas que utilizam o site, e sim de outras. Aposto que você também não voltaria para um lugar de onde você foi expulsa...

      Excluir
  6. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  7. Mais uma vez não ha como descordar de você. É isso ai. beijo de zélia

    ResponderExcluir
  8. Ana, vim conhecer sua página e adorei seu poema, muito forte e determinado. Parabéns. Sua página está muito linda e você tem razão. Um abraço,

    ResponderExcluir
  9. Uma vez ouvi uma senhora dizer que perdão é relativo ao interlocutor. Nem sempre é, mas acho que ela tem uma certa razão porque quem é bastante próximo e querido não exige nem perdão, nem licença.

    ResponderExcluir
  10. Pedir perdão é assumir que errou e só nesse caso deve existir, a meu ver...

    Abraços amiga!

    ResponderExcluir
  11. Olá!!! As vezes tiramos um tempo pra visitar amigos que encontramos na estrada da vida. Assim, espero que prossigas sempre rumo ao alvo.

    ResponderExcluir
  12. Forte, verdadeiro e para algumas pessoas ou acontecimentos essa postura sempre se faz necessária.

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

AMANHECEU

Amanheceu novamente Sobre as igrejas e telhados dos que ainda dormem E dos que jamais despertarão. Amanheceu sobre as p...