domingo, 14 de julho de 2013

Dias






Dias



Um a um, qual gotas esparsas,
Perfume de nuvem branca
Nas asas das garças
Que passam,
Penas que caem
Até que estanque o voo.

Pétalas roxas
Caídas do vaso de violetas.
Lagarta passando, lentamente,
Corpo em ondas sinuosas
E de repente,
-Passou!

Colar de contas enfileiradas,
Como os passos calculados
De uma jornada...

-Arrebenta,
Caem as contas,
Espalham-se,
Fio pendurado
Pendendo no vazio.

Nenhum sinal,
Nenhum aviso,
A brisa soprada que ergue a pluma
Arrancada
De uma asa que há muito
Não mais existe,
Mas fica a pena
(Da asa e da vida).

9 comentários:

  1. Ana ,

    Sua escrita sempre bela .
    Me encanta passar aqui e aprender com sua sensibilidade .
    Beijos

    ResponderExcluir

  2. Linda inspiração, Ana.
    Seu poetar é maravilhoso.

    Ótima noite.

    Beijo.

    ResponderExcluir
  3. A pena como metáfora
    a pena que cai no chão
    a pena da liberdade
    a que escreve o poema

    Luiz Alfredo - poeta

    ResponderExcluir
  4. Oi Ana, não há segunda feira sem poesia, por isso vim ler-te. No que fiz muito bem! Porque cada linha poética é farol na caminhada da vida.

    A asa pode não mais existir, mas fica a pena, marca da vida!
    bjs
    boa semana
    :)

    ResponderExcluir
  5. Sensibilidade e grande poder de criação e retratação. É Ana Bailune. Sempre Ana Bailune.

    ResponderExcluir
  6. Linda partilha...A luz das tuas palavras é um carinho ao coração.

    Abraço carinhoso Ana.

    ResponderExcluir
  7. Brilhante poema, uma verdadeira pérola. Gosto de ver esta descrição que fazes da vida, como pequenos pedaços que passam e jamais se repetem, mas MARCAM... Parabéns poetisa Ana Bailune!

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

IDADE

UMA BRINCADEIRA - MAS UMA BRINCADEIRA SÉRIA! IDADE A idade  tocou-me no ombro,  Perguntando: “Quem é você?” ...