quinta-feira, 11 de julho de 2013

Sobre Culpar os Pais






Sobre Culpar os Pais


É sempre complicado assumir a responsabilidade pelos nossos próprios erros e atrasos na vida. Quando muito jovens, alguns tendem a culpar os pais pela maioria de seus desacertos - e durante algum tempo, a psicologia vem contribuindo para que isto aconteça. Apesar de jamais desconsiderar a importância da psicologia no processo de autoconhecimento, acredito que inúmeras vezes ela tem criado rótulos que em nada o facilitam. 

Durante a infância, as impressões que vão ficando marcadas em nós podem ser muito importantes para ajudar a definir que tipo de adultos nós seremos; mas a qualquer momento, cada um deve ter a responsabilidade de escolher o próprio caminho e segui-lo sem a necessidade de culpar os pais, a escola, a sociedade ou as condições de vida pelo seu insucesso.

Vemos, muitas vezes, irmãos que foram criados sob as mesmas condições de vida (favoráveis ou não); enquanto alguns obtém sucesso e atingem seus objetivos, outros entregam-se ao exercício da lamentação e passam a responsabilizar os pais e as condições de vida por suas frustrações. Ora, se foram criados sob as mesmas condições, por que um deles atingiu o sucesso e o outro não? Não seria uma questão de esforço pessoal e dedicação?

Quando os filhos utilizam-se dos erros dos pais a fim de justificar os próprios erros, não percebem que, além de estarem sendo desrespeitosos em relação aos seres humanos que os pais são - pois sendo humano, quem não comete erros? -, na verdade, eles (os filhos) sabotam a si mesmos. Usam como desculpa para a inação o fato de que não tiveram bons exemplos a seguir; ora, exatamente por estarem conscientes deste fato, não teriam os filhos mais motivos para tentarem usar o que chamam de "a má vida dos pais" como um exemplo para melhorarem as próprias vidas?

Culpar os outros pelo seu próprio fracasso é como culpar a Deus porque choveu no dia do pic-nic. Não faz sentido. Apesar de muitas vezes, a convivência com os outros afetar as nossa vidas, somos nós quem temos a responsabilidade de fazer as nossas escolhas. E o tempo passa; se deixarmos para mais tarde, estaremos perdendo um tempo precioso! 

Ninguém vem para a vida com a intenção de errar. Todos nascemos e vivemos desejando fazer escolhas certas e sermos felizes, e acho que mesmo quando nós erramos, temos o direito de refazer o caminho, consertarmos nossos erros e seguir em frente. Acredito que uma das coisas mais tristes para um pai ou uma mãe, é quando um filho os despreza, apontando os erros que eles cometeram (e dos quais tentam poupar o filho ingrato), e escutam-no dizer em tom de condenação: "Mas quem é você para julgar-me?"

Se eu fosse a mãe, responderia:

"Eu sou sua mãe! Sou a pessoa por quem você deveria mostrar consideração e respeito, a pessoa que mais deseja a sua felicidade nesse mundo, e que jamais, em qualquer ocasião, seria capaz de agir de forma a desejar-lhe qualquer mal. Eu sou a mulher que o trouxe ao mundo, e quando eu deixá-lo, quero ter a certeza de que você será capaz de viver bem sem a minha presença, sabendo que eu o encaminhei bem na vida, e que contribuí para que você fosse uma pessoa de bem. Uma pessoa muito mais feliz e capaz do que eu mesma fui. Uma pessoa bem melhor do que eu."


5 comentários:

  1. Boa tarde amiga Ana!
    Seu blogue está lindo!
    Amei o post, sim bem escrito e bem direcionado à quem queira refletir sobre o assunto, pois minha amiga, há e muito de filhos que culpam os pais pelos seus fracassos, lamento tanto ver isso, pois é bem verdade, quando os pais erram nem sempre o fazem por querer, a vida tem seus percalços!
    Tive uma boa educação, meus pais foram bons, meu único irmão e eu reconhecemos sempre isso!
    Eduquei meus filhos que estão educando os seus, (meus netos), ainda bem que sou imensamente feliz com minha família, mas sei que nem todas as famílias têm essas alegrias, é uma pena né amiga?
    Amo ler aqui, sempre há algo a nos mostrar, nos fazer refletir e eu sempre gosto de poder interagir!
    Abraços apertados!

    ResponderExcluir
  2. Oi Ana, bom texto , tema importante para ser refletido. Acredito que quando adolescentes e jovens, culpamos os nossos pais por tantas coisas. Na verdade o que todos desejam é a tão sonhada liberdade. no entanto a liberdade é sempre resumida na nossa vida porque nos privamos de muitas coisas.
    Ilumine seu olhar com a sinceridade.
    Faça dos seus dias, um marco de amor.
    Dê a alguém a gentileza da sua afeição.
    Agradeça a Deus cada hora vivida.
    deixe suas pegadas enquanto é tempo!
    Uma noite abençoada, abraçoss
    Lourdes Duarte

    ResponderExcluir
  3. Olá Ana
    Missão difícil essa de ser pais, pois as virtudes são sempre méritos dos filhos, e os defeitos são culpa dos pais. Ninguém merece.
    Bjux

    ResponderExcluir
  4. Eu não fui mãe biológica, mas fui mãe do coração de vários filhos.
    É sempre uma missão complicada saber o que fazer com as crianças
    que seja para encaminhá-las para um futuro bom.
    Beijinhos
    e bom fim de semana.
    Irene Alves

    ResponderExcluir
  5. É Ana... é bem assim mesmo! Se a gente erra sempre procura encontrar um culpado... Na verdade, ao assumir o erro fica mais fácil consertá-lo ou recomeçar certo! Bjks e bom final de semana! Tetê

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

REFLEXÃO

Já muito andei sem enxergar, sem ver, O que me fez e me desfez, a fome... "Ana" é o nome que alguém me deu, M...