sexta-feira, 26 de julho de 2013

AMARGURA - SONETO





Amargura


Guardei minhas mágoas dentro de um lenço
E sobre estas páginas, o sacudi.
As duras palavras, moí no silêncio.
Já dei por perdido o que há muito perdi.

Não levo comigo senão uma dor,
Que já nem me lembro se eu mesma escolhi.
A dor, já dormente, perdeu o amargor
Caída no tempo, penso que morri.

Mas há uma criança querendo viver,
Que dentro do peito, reclama e se agita...
Se a deixo dormir, a vida a desperta.

E esta criança quer ser, ressurgir,
Pois teima em sorrir, mostrar que está viva,
No fundo, eu entendo que ela está certa.



6 comentários:

  1. Que Amargura mais docemente descrita neste soneto espetacular... arrepiou amiga!
    Bjo
    Su

    ResponderExcluir
  2. A amargura nunca faz bem. Soltá-la é sempre preciso! LINDA inspiração! beijos,chica

    ResponderExcluir
  3. Ana Bailune

    Para nossa própria saúde menta, nada com fixar apenas as nossa boas recordações, esquecendo as menos boas.
    Beijios

    ResponderExcluir
  4. Sempre há esperança quando se acredita em algo. Belo soneto amiga!

    ResponderExcluir
  5. Muito bonito seu soneto!A amargura é mesmo um atraso de vida,nada como deixar falar nossa criança!bjs,

    ResponderExcluir
  6. Olá Ana!
    Hoje;
    não importa a hora a amargura é sempre dolorida.
    Procuramos cores, procuramos amores , procuramos vida
    e encontramos... as palavras que dão forma,mais que tudo, recriam a vida.
    Um grande abraço.

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

O que Tem na Sua Playlist? Uma Interação

Inspirada por um comentário de paulo Bratz a um de meus posts, que fala sobre um aparelho de som que comprei na Black Friday,...