quinta-feira, 20 de setembro de 2012

Foram-se




Foram-se as flores do meu ipê,
Caíram em murchas manchas silentes,
Mortas manchas
Aparentemente, para sempre.

Mas permanece a árvore, que guarda
Em si, milhares de sementes
De outras árvores, e outras flores
Que hão de brotar novamente.

Mas jamais serão as mesmas flores,
E jamais, as mesmas sementes.

8 comentários:

  1. poema dialético
    tercido em profundas
    parábolas
    o desenho do devir
    da vida da gente
    da semente

    mui belo e profundo
    numa forma de pura
    canção

    Luiz Alfredo - poeta

    ResponderExcluir
  2. Linda e verdadeira mensagem em poesia! beijos,chica

    ResponderExcluir
  3. Que lindo ficou teu blog, Ana?!

    O poema sempre de qualidade e com imagens muito pertinentes.

    bacios e bom dia pra ti!
    :)

    ResponderExcluir
  4. Adorei o poema, Ana!

    Ah e tenho um selinho pra você! Espero que goste!
    http://deiaklier.blogspot.com.br/2012/09/segunda-jornada-do-nosso-selinho.html

    ResponderExcluir
  5. Na vida as vezes temos que nos desvestir de todas as roupas,que já não condizem com nosso viver e assim renovar,como as arvores para uma linda primavera.
    Um carinhoso abraço Ana.

    ResponderExcluir

  6. O ciclo de renovação é perene.

    Lindo, Ana! Você é uma grande poetisa.

    Beijo.

    ResponderExcluir
  7. Lindo Dia-Um Sol pra ti Ana-poesia tristinha..em um desabafo-tomara esta árvore
    tenha evoluído e novas flores virão mais bonitas.E se nascerem Cerejeiras?
    Sucesso.Bjus\Flor.Bom fds.

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

VOLTANDO...

Veneza Olá, pessoal! Estive fora por uns dias, realizando um grande e muito antigo sonho: conhecer a Itália! Foi uma experi...