quarta-feira, 19 de setembro de 2012

Dualidade




Uma moeda tem dois lados. A lua tem o lado que podemos ver e o lado escuro, que podemos adivinhar. Existem o ying e o yang. O avesso e o direito. E sendo assim, uma estória sempre tem dois lados.

Quando julgamos os acontecimentos através de apenas um dos lados da estória, mostramos preconceito e corremos o sério risco de cometer uma injustiça. Porque quem conta uma estória, certamente tende a 'puxar a sardinha' para o seu lado, desfavorecendo o outro personagem. Nem creio que isto seja maldade, é apenas uma tendência natural. Fazemos isso quando estamos errados, e sabemos que erramos, mas não queremos admitir. Não adianta; sempre teremos tendência a justificar os nossos erros, em detrimento de quem está do outro lado da estória. É humano.

Geralmente, quando há uma discussão ou desentendimento, ambos os lados estão certos e errados de alguma maneira. Mas sempre há um lado que está 'mais certo' do que o outro. Reconhecer um erro é prova de coragem, humildade e maturidade, e também de solidariedade com o outro lado, que afinal, não merece levar a culpa toda sozinho.

Quando alguém que amamos vem nos contar sobre alguma injustiça sofrida, eu acho que devemos nos lembrar que naquele exato momento, o outro lado estará fazendo a mesma coisa: contando a sua estória a alguém que o ama e se dispôs a ouví-lo. E ele também estará certo. E também estará errado. Mas se não ouvirmos os dois lados da estória, jamais saberemos quem errou - ou acertou - mais. Mas, justamente porque aquela pessoa que nos está contando a estória é alguém a quem amamos, nós a defendemos e ficamos do lado dela, sem questionamentos. 

Isto é certo?

Todos nós somos mocinhos e bandidos em várias circunstâncias da vida. Ninguém é sempre bonzinho, e ninguém é sempre malvado. Todo mundo está aqui para aprender: quem conta a estória e quem a escuta.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Contas

Eram contas de um colar pesado, Sem brilho, um tanto funesto Que alguém usava em volta do pescoço Como uma forma de p...