domingo, 30 de setembro de 2012

Canção do Desamor




Canção do desamor 

Sinto muito; não te amo,
Não sei como aconteceu.
Não há rastros do que fomos,
Nem sequer uma lembrança
Que me impeça de esquecer-te.

Pois de ti em mim só resta
Uma ruga sobre a testa,
Uma foto desbotando,
Um odor que sai, lavando,
Um torpor de fim de festa.

Sinto muito; não te amo.
Esse teu suposto amor
Nada é, senão costume,
Deixa em nós um azedume,
Sei que podes me esquecer.

Ao sair, deixe na casa
A cópia da minha chave.
Leve embora teus sinais,
Teus resquícios e lembranças
Mate toda a esperança.

Sinto muito, não te amo!

Um comentário:

  1. Essa é verdadeiramente uma canção, Ana.
    Não sei se pensaste assim, mas daria uma belíssima música!
    Adorei o ritmo e toda verdade que há nela, apesar da tristeza de um desamor tão gélido.
    Mas assim são os poetas, criam dos sentimentos a palavra para que esta leve os sentimentos de volta ao coração do leitor. É perfeito!
    Abraços. Daniel

    http://dagarpower.blogspot.com

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Até um Dia!

Olá, pessoal! Por motivos pessoais, estarei fora da rede durante alguns dias. Volto em breve! Abraços! ...