sexta-feira, 14 de setembro de 2012

Galhos de Ipê



Finos galhos de Ipê
Tramas de cama-de-gato
Seguram, nas pontas dos dedos,
Flores macias e frágeis

Que se desprendem e caem
Entregues ao seu destino
De murchar e  fenecer
Sobre uma verde ramagem.

Caem ao anoitecer,
Derrubadas pelo vento
Mas é lindo o seu morrer,
Manchas de cor ao relento.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

AMANHECEU

Amanheceu novamente Sobre as igrejas e telhados dos que ainda dormem E dos que jamais despertarão. Amanheceu sobre as p...