terça-feira, 11 de setembro de 2012

A Mão e as Cabeças









A mão pesava 
Sobre as cabeças
Sempre bem baixas...

A mão mostrava
E apontava 
As direções.

A mão cortava
Cada cabeça
Que se erguia.

A mão matava,
E escolhia,
Manipulava.

A mão batia
E espancava
O que chamava
De rebeldia.

A mão punia
E esmagava
Cada cabeça
Que se erguia...

Cabeças burras,
Cabeças tolas,
Cabeças fracas!

Cada cabeça
Tinha a sentença
Que merecia.

*

4 comentários:

  1. A imagem é fantastica Ana.Um pássaro de frente para o voo livre.
    O que podem as mãos e por analogia o poder que tudo pensa que faz no ato de destruir.
    Carinhoso abraço Ana.

    ResponderExcluir
  2. Confirma-se o "cada cabeça uma sentença..."

    Muito bom!

    Bjos

    ResponderExcluir
  3. Boa tarde, Ana. Muito bom. Cada qual entende qualquer questão com o juízo de sua própria mente, assim sendo, cabeças rolam, sofrem, padecem sem precisar.
    A maldade é uma constante no coração humano banalizando cada vez mais a vida!
    Beijos na alma e fique na paz!

    ResponderExcluir
  4. que foto linda Ana! a fragilidade de um ser e o poder de uma mão! adorei!

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Contas

Eram contas de um colar pesado, Sem brilho, um tanto funesto Que alguém usava em volta do pescoço Como uma forma de p...