quarta-feira, 12 de setembro de 2012

Enquanto for Preciso





Sempre que amanhece,
Apaga-se uma dor,
Mas um sonho fenece...

Cada vez mais longe
Do amanhecer:
Caminho do dia,
Que ao primeiro raio, principia
A morrer!

Enquanto for preciso,
Direi o que tenho a dizer.

Eu às vezes choro,
Noutras, eu gargalho...
Ora passarinho,
Ora espantalho...

Bem longe do ninho,
Bem perto do céu...
Entre o choro e o riso
Haverá um véu.

E enquanto for preciso,
Direi o que tenho a dizer.

O que mais, me digam,
Se há de fazer?...

3 comentários:

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Não Tenho Mais Nada Contigo

Estou escrevendo estas linhas  Só para deixar bem claro: Não tenho mais nada contigo. Teu rosto não faz mais figura...