segunda-feira, 3 de setembro de 2012

DE PASSAGEM





Eu, de passagem
Nessa estação
Dentro da nave
Eu olho a vida.

Muitas chegadas, 
Muitas partidas
É um cliché,
Mas é assim...

Muito de ti,
Muito de mim
Se perderá
Pelo caminho,

E entre as flores
E os perfumes
Há dissabores,
Alguns espinhos...

Ninguém está
Ou estará 
Pronto pra vida,
Não há ensaios...

Talvez por isso
As desistências,
Os desesperos
E os desmaios...

Estou aqui
Não sei por que
E nem desejo
Mesmo, saber...

Mas já que estou,
E será  findo,
Que seja bom,
Que seja lindo...

*

AVE


Ave impassível, impossível ave
Ave de prata, plumas de metal...
Quisera eu tocar teu flanco liso
Que se incendeia ao sol filosofal!

Nave de Marte, que brinca entre os astros,
Vai pelos vastos trilhos do infinito...
Leva contigo todos os meus sonhos,
Deixa-os errar pelo universo prisco!

E quando os primos raios da manhã
Tornarem rubras nuvens de açucena,
Despertarei, ave, no chão tristonho,
E tu, ó fruto da ilusão serena,
De um outro Ícaro serás o sonho.


4 comentários:

  1. Seus escritos são maravilhosos. Tem a capacidade incrível de traduzir sentimentos com singular maestria. Eu também espero que minha estadia por aqui até o fim, seja linda! Beijoquinhas

    ResponderExcluir
  2. Parabéns pelo texto. Certamente, pedaços da paisagem da vida de cada um. Abraços.

    ResponderExcluir
  3. Dois lindos poemas seus, Ana! Gosto demais do jeito que você escreve.
    Boa semana, beijos,
    Valéria

    ResponderExcluir
  4. Sabemos que estamos de passagem, mas isso não nos impede e observar, atentamente, cada detalhe da vida, e sorvê-la enquanto nos for permitido. Bjs.

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Não Tenho Mais Nada Contigo

Estou escrevendo estas linhas  Só para deixar bem claro: Não tenho mais nada contigo. Teu rosto não faz mais figura...