domingo, 8 de julho de 2012

Copos Quebrados








Dia desses quebrei um copo e um saleiro, dos grandes, na cozinha. Foi um horror, pois o saleiro de vidro caiu sobre o copo, que estava sobre a pia, quando abri o armário. No copo, tinha açúcar. Bem, resultado: espalharam-se pelo chão, entre cacos e mais cacos, o açúcar do copo e mais de meio quilo de sal.


Varri tudo. Tive que lavar o chão, pois o sal tem uma gordura horrorosa que agarra e umedece, enquanto o açúcar, mela tudo, como todos sabem. Depois disso, que aconteceu há uma semana, fiz uma faxina na casa, passei aspirador de pó... e agora, varrendo a sala de jantar, encontro mais um caco! E o mais engraçado, é que ele estava bem longe de onde aconteceu o acidente...

Pensei na vida, e nas coisas que tem acontecido nos últimos dias. É assim mesmo! Quando alguma coisa quebra, não adianta colar. E os cacos do acidente ainda vão ficar aparecendo por aí durante um bom tempo.

Mas a gente vai varrendo, até que não haja mais nenhum.

4 comentários:

  1. Que desfecho!!! Muuuuuuito bom!!! Esse texto, para mim, vale por mil livros de autoajuda. Não foge do problema, encara a realidade e, de quebra, mostra que a saída está em trabalhar e não em ficar de braços cruzados achando que pensando positivamente as coisas resolvem-se; resolvem sim, mas é preciso ser firme e forte.

    ResponderExcluir
  2. É exatamente assim, Ana. Depois que quebra...
    Bom domingo pra você e um grande abraço.

    ResponderExcluir
  3. Já ouvi dizer que, para alguns, sal é sinal de sorte, e para outros, azar. No seu caso, houve o açúcar neutralizando a força do sal, para quem acredita, claro. Interessante... Sim, quando certas coisas se quebram na vida, melhor mesmo não tentar colar, pura perda de tempo e energia. Melhor é seguir varrendo! Intencional ou não: oportuno e sábio final! Um abraço fraterno, inté!

    ResponderExcluir
  4. sábio varrer os cacos e os desenganos! abraços meus

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

REFLEXÃO

Já muito andei sem enxergar, sem ver, O que me fez e me desfez, a fome... "Ana" é o nome que alguém me deu, M...