quarta-feira, 11 de julho de 2012

Manchas de Luar



Manchas esparsas
De um luar derramado
Sobre as folhas
Manchas liquefeitas
De lua derretida
Entre os galhos...

Os olhos seguem a luz,
Da janela do carro,
Movimento, ilusão...

A lua me olha
Me vê liquefeita, derretida,
Passando...

4 comentários:

  1. Segui as manchas e deparei-me com uma aquarela poética encantadora! Abraço do Jorge, tudo de bom.

    ResponderExcluir
  2. Ana , gosto muito quando vc me visita e deixa impresso lá no Rimas Truncadas a sua experiencia com a vida e com a escrita ... como a beleza desse poema ...abçs

    ResponderExcluir
  3. E deixando na emoção de quem lê aquele gostinho de "quero mais"...
    Lindo esse poema!

    Beijuss!

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Não Creem em mim

Não creem em mim quando eu digo Que eu a vi, Bem ali, naquela nuvem Que desliza entre as duas montanhas. Eu te diria,...