domingo, 8 de julho de 2012

Coração Raso




Você me fez mil promessas
Tolamente, acreditei.
Plantou-me um jardim de flores
(Murchas, mas não notei...)
Inventou lindas histórias
Encantou meu coração.
Mas não vi, por trás das glórias
O desfecho da ilusão.

Em teus olhos sempre frios
Eu pensei ter visto amor.
Em teu abraço vazio
Desejei sentir calor.
Apertei, nas mãos, a flor,
Mas não vi, no meio, o cardo...
Como pude esperar tanto
Do fundo de um coração raso?

3 comentários:

  1. Uma flor espinhosa representa bem e dá uma nitidez incomum às dores que a gente carrega. Magistral, embora doído.

    ResponderExcluir
  2. De mil promessas construí o nosso castelo,
    Cerquei o seu redor com rosas.
    Na porta principal coloquei o titulo do teu nome.
    Acreditava que pela surpresa fosses minha!
    Porém vieram os vassalos amansaram os dragões,
    Pisotearam as nossas flores e plantaram desilusão.

    Ana. Desculpe a minha forma de comentar.
    Em algumas poesias eu gosto de interpretar ou dar
    um parecer semelhante.
    Eu sei que no caso desta tua poesia eu amenizei e pus a culpa em terceiros. Mas esta é somente uma forma de dialogar com as tuas letras tão lindas…

    ResponderExcluir
  3. Oi Ana...
    A paixão nem sempre possue a lente mais perfeita...as vezes as imagens são distorcidas...muitas vezes irreais...

    Um beijo....parabéns pela sua arte de escrever tão belos versos..

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

AH, OS ITALIANOS! - Parte I

Eu em Veneza - Gondoleiro! Durante nossa curta estadia na Itália, não ficamos em hotel. Alugamos um pequeno apart...