terça-feira, 10 de julho de 2012

Palavras Sufocadas


Li teus versos,
Que apesar de tão belos,
Pareciam contidos,
Domados, educados,
Mais rimados que sentidos...

A palavra estava rija,
E apesar de tão coesa,
Parecia um pouco presa...

Solta a palavra, poeta!
Deixa-a correr solta
Extravasando a métrica
A rima e a estética,
Dexa-a sair dos trilhos!

Deixa o poema nascer,
Criar seu próprio sentido...
E se houver rimas, poeta,
Elas mesmas se farão,
Adaptando as palavras
Às linhas do coração!

5 comentários:

  1. Liberdade:
    "Solta a palavra, poeta!
    Deixa-a correr solta
    Extravasando a métrica
    A rima e a estética,
    Dexa-a sair dos trilhos!"

    Linda poesia Ana, amei!
    Um dia abençoado pra você.
    beijos de paz.

    ResponderExcluir
  2. Palavras soltas que se harmonizam por si só. Esse é o belo caminho das letras. Lindo o poema e o blog. Não estava conseguindo comentar, mas acabei entrando, depois de algumas tentativas. Bjs.

    ResponderExcluir
  3. Palavras vacilantes, desejosas por acontecer na alma, porém arredias e trêmulas na folha e na vida! Abraço do Jorge.

    ResponderExcluir
  4. super lindo e muito certo. olguinha

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

AMANHECEU

Amanheceu novamente Sobre as igrejas e telhados dos que ainda dormem E dos que jamais despertarão. Amanheceu sobre as p...