segunda-feira, 2 de julho de 2012

Lanterna




Brilho suave na neblina

Na noite escura e sem luar

Única luz que me ilumina.



Uma lanterna enferrujada

Uma esperança qu'inda insite

naquela curva da estrada.



Brilho suave na neblina

Balança ao susto repentino

De uma pesada ventania...



Espatifando-se no chão

A esperança que restava...

Luz apagada, noite fria.

2 comentários:

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Não Creem em mim

Não creem em mim quando eu digo Que eu a vi, Bem ali, naquela nuvem Que desliza entre as duas montanhas. Eu te diria,...