sábado, 28 de julho de 2012

To Sir With Love - Uma Lembrança











To Sir With Love - Uma lembrança

Quando eu estava na sexta série, e estudava no colégio EPA, aqui em Petrópolis, havia um professor de quem todos gostávamos. Ele era engraçado, divertido e tinha uma maneira de ensinar tão especial, que quando ele falava, a classe toda ficava quietinha, ouvindo-o. Ele lecionava história, e a partir do momento que passei a ter aulas com ele, esta matéria deixou de ser uma das que eu menos gostava, e passou a ser a minha favorita, já que eu conseguia prestar atenção e aprender sem esforço. A aula era muito interessante, e ele, um professor habilidoso...

Mas um dia, uma coisa aconteceu que mudou meu modo de pensar; um dos meninos havia assitido na TV a uma reportagem  sobre algo que estava acontecendo na época - não consigo lembrar-me do que era, mas tinha alguma coisa a ver com política - coisa com a qual eu nem me preocupava aos doze anos de idade. Este menino fez uma pergunta sobre aquilo ao professor, que respondeu-lhe com toda convicção, e já ia continuar aula, quando o menino interferiu com uma outra pergunta sobre o mesmo assunto; novamente, o professor a respondeu (já demonstrando um pouco de impaciência), mas o menino rebateu a afirmação do professor, discordando do que ele dissera, e apresentando seus argumentos - que, acredito, talvez fossem até equivocados para quem tinha apenas treze anos. Tudo estava indo bem, mas naquele momento, o professor levantou-se de sua mesa, e aos berros, apontou ao garoto a porta da sala de aula, mandando que ele saísse imediatamente, dizendo: "Como é que você se atreve a discordar de mim? Quem você pensa que é?"

Naquele momento, fez-se um silêncio sepulcral na sala de aula, enquanto o garoto seguia para fora, em direção à secretaria, de cabeça baixa. Todos ficamos indignados com o que aconteceu. Perdeu-se, para nós, a simpatia que tínhamos por aquele professor, que demonstrou ser apenas mais um ditador arrogante disfarçado, ao agir daquela forma com alguém que tinha uma opinião diferente da sua. Todo o seu discurso sobre igualdade e democracia foi por água abaixo...

Não sei se, naquele dia em especial, o professor estava aborrecido com alguma coisa que acontecera fora da sala de aula, mas hoje, pensando sobre o que aconteceu, eu entendo que, seja lá o que for que tivesse acontecido, quando uma opinião contrária à nossa nos é apresentada, e nós a trancamos lá fora, excluindo a pessoa que opinou, estamos demonstrando não a nossa sabedoria, mas a nossa presunção. E da presunção, não brota nada. Achar-nos melhores que outros por termos mais conhecimento, tira de nós aquela coisa maravilhosa que é abrir-mo-nos a novas idéias, mesmo que depois de ouví-las, ainda preferamos permaner com as nossas.

Neste caso, eu gosto daquela canção de Raul Seixas, que diz "Eu prefiro ser aquela metamorfose ambulante do que ter aquela velha opinião formada sobre tudo." A distância entre uma opinião e o preconceito, é de apenas centímetros; às vezes, vai do ouvido de quem escuta até a boca de quem fala.

3 comentários:

  1. Isso prova aquilo que sempre digo que é a convivência que mostra quem somos. Antes disso são só primeiras impressões, sempre falsas.

    ResponderExcluir
  2. Oi Ana, mui sábia a tua fala, de fato tens toda razão! Quero te agradecer pelo convite para ler este excelente escrito! Deixo-te um abraço com a minha estima!

    ResponderExcluir
  3. Um texto real que não muda às vezes se esconde, outras vezes é maquiado de bons modos, mas sempre acaba aparecendo em nós (humanos) este ditador arrogante disfarçado.
    A admiração que temos por alguém geralmente vai embora quando passamos a conhecê-la nesta "presunção que não brota nada."
    Eu falo na terceira pessoa por carregar uma decepção comigo mesmo quando por meros descuidos eu perco o equilíbrio sensato. Contudo, de certa forma me agrada um pouco saber que em algumas lições melhoro ou subo um degrau neste centímetro entre uma opinião e o preconceito.

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Mandrágora

Teu Nome – raiz de mandrágora Perpassando o meu caminho, Me fazendo tropeçar... Um dragão adormecido Em isolada cave...