sábado, 2 de novembro de 2013

Ti-ti-ti de Facebook







Ontem pela manhã recebo o mail de uma pessoa por quem tenho muita consideração pedindo-me minha opinião sobre uma pessoa (que eu não conheço) cujo trabalho escrito está sendo difamado no Facebook. Acusam-na de plágio. Copio aqui a resposta que enviei a ele:



Desconheço esta autora... não me lembro de tê-la lido, e se for minha 'amiga' no Face, nem me lembro mais...


Mas o que acontece demais no (emitirei o nome do site aqui), é o seguinte (e sei porque vive acontecendo comigo): alguém publica um texto com o título... sei lá... "Primavera," por exemplo; daí, eu escrevo um poema com um título igual, sem ter o menor conhecimento do outro, e embora o meu tenha um conteúdo bem diferente, e me acusam de plágio.


Também já fui acusada de plagiar Neruda - autor que, confesso, nunca li profundamente, apenas um ou dois poemas. As pessoas se acham donas das idéias. Se algum poeta - vivo ou morto - escreve sobre um determinado tema, tudo o que for escrito depois disso sobre este mesmo tema, é considerado plágio! Se você pesquisar "Amor," encontrará milhões de poemas com esse título; foram todos plagiados?! Quanto a autora, eu não conheço, nada sei.


Há pouco tempo tive um autor do (nome do site) me escrachando em sua escrivaninha, usando meu nome e sobrenome, alegando que eu estava copiando poemas dele; bem, ele escreve sonetos... eu raramente escrevo um, e meu estilo, meus temas, enfim, tudo o que escrevo, é totalmente diferente do que ele escreve. Um moleque sem educação, mimado e cheio de si, é o que ele é.


Não entra nessa de fofoca de Facebook, pois parece que transformaram uma invenção maravilhosa em ferramenta do demônio para maldizer pessoas, inventar calúnias e sujar reputações.



As pessoas são mesquinhas, invejosas, mentirosas, maldosas e adoram destruir quem se destaca um pouquinho da turba delas. Por isso, não entro em bate-papos e nem aceito convites para participar de programas de bate-papos.


Um abraço,



É exatamente este o meu pensar. A pessoa que me escreveu deu a entender - pelo menos, para mim ficou bem claro - que eu também sofro o mesmo tipo de difamação no face. E olha que eu só vou lá bem de vez em quando! Mas nem quero saber quem é que está fazendo esse tipo de coisa, não me interessa. Exatamente por este motivo, não entro em bate-papos no Facebook, e quando alguém me aborda, apenas respondo educadamente e dou logo o fora. Porque eu sei o quanto as pessoas são maldosas; às vezes, chegam à minha caixa de entrada "conversas" no Facebook das quais não participei (gostaria de saber como elas vão para em minha caixa de e-mails, se eu não tomo parte nelas). Eu as deleto. Nem leio até o final, pois o conteúdo às vezes é tão repugnante, que nem vale a pena.

Mantenho o Facebook apenas para estar em contato com membros de minha família e alguns amigos, e também para divulgação do meu trabalho escrito. Apenas para isso, e não me interessa mais nada.

O Facebook foi criado para aproximar pessoas; infelizmente, ele é usado para caluniar, rebaixar, espalhar mentiras e destruir a vida até mesmo de pessoas famosas. Certa vez, li na revista Veja sobre um lobista que possui um site especializado em criar e espalhar calúnias sobre políticos. Edita fotografias, distorce declarações e espalha na rede. Basta pagar, e ele faz o trabalho sujo. Fiquei com nojo.

Hoje em dia, qualquer um está sujeito a esse tipo de coisa; basta ter atividade virtual. A qualquer momento, pode ser que haja alguém que esteja usando seu nome para criar perfis falsos em redes sociais, fazer comentários ofensivos não autenticados e espalhar fofocas. Às vezes, podem clonar seus cartões de crédito, por mais protegido que seu computador esteja (descobrimos recentemente que, na verdade, ninguém está protegido na internet, nem mesmo os chefes de Estado). Este é o mundo em que vivemos.


9 comentários:

  1. Que pena que tanta coisa ruim exista assim por lá. Estou lá quase apenas pra família que temos parte na Inglaterra, parte na Itália! No mais, de vez em quando apareço ! beijos,chica

    ResponderExcluir
  2. Lamentável o mundo em que vivemos com tantas pessoas sem qualquer moral !
    Estou solidáriocontigo, ANA !

    Um beijo Amigo.

    ResponderExcluir
  3. Ana Bailune
    O facebook serve tudo, se usado sempre boas intenções, vale a pela estar nele como auxiliar do blog. Quanta a pelágio, os títulos de poemas nada têm a ver. Se houver o cuidado de reparar no Google, vemos que não haverá títulos inéditos, por mais que tentemos o ineditismo nesse campo. Só o conteúdo é que conta. Fica aqui um exemplo, eu acabei de publicar um livro de poemas. o mesmo tem três poemas com o mesmo título (tem I, II e III). Os conteúdos em nada se parecem.

    Por imperativo, tenho andado sumido. Procurarei , agora voltar a comentar mais.

    beijos

    ResponderExcluir
  4. É por essas e por outras que eu saí dessa meleca de FB. Nâo serve pra nada, aliás serve: Pra mim é uma rede de intrigas.

    Gostei amiga, da boca no trombone e tenha dito!

    ResponderExcluir
  5. Sua resposta foi pontual, e vejo muita verdade em tudo que escreveu...
    Parabéns Ana

    ResponderExcluir
  6. É lamentável esse tipo coisa aconteça no facebook.
    Beijos
    Amara

    ResponderExcluir

  7. Muito boa sua resposta, Ana.
    Quase não apareço no meu face, a não ser quando recebo alguma notificação. Aí me assusto com tanta publicação partilhada-rsrs. Também não sou de 'bate-papo' via rede social. Prefiro acautelar-me da maneira que posso.

    Beijo.

    ResponderExcluir
  8. Fiquei pasma Ana, admiro muito você e seu trabalho, confesso que aprendo muito com você e agradeço o carinho com que me trata, acho um despropósito tal acusação, não podemos nos expressar que já estão acusando?
    Costumo compartilhar tudo que gosto, agora fico na dúvida se vou colocar na rede.
    É realmente muito lamentável o episódio, abraços carinhosos Maria Teresa

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

REFLEXÃO

Já muito andei sem enxergar, sem ver, O que me fez e me desfez, a fome... "Ana" é o nome que alguém me deu, M...