terça-feira, 5 de novembro de 2013

GOTAS DE CHUVA NO VIDRO





Olhos presos à janela
Mas sem enxergar a paisagem
Diante dos olhos dela.

Pinga uma gota no vidro,
E outra, e outra e mais outra...
O tamborilar a desperta
E os olhos chovem com elas...

Gotas de chuva no vidro
De uma vida já distante,
Nada será como antes,
Nada será como antes...

O vento assovia segredos
A ela, ininteligíveis...
Mas fica no peito o sentido
Daquilo que nunca foi dito...

E as gotas de chuva no vidro
Trazem risadas de um tempo
Que Não voltará a ser, 
Não voltará a ser,

Pois o tempo, quando acaba,
Não deixa nada, a não ser
A voz do vento que sopra
E gotas de chuva a chover...

4 comentários:

  1. Que lindo poema, adoro chuva, as gotas batendo na vidraça me deixam calma, deixo a janela aberta só para ver a chuva!
    Lindo!Amei!
    Abraços!

    ResponderExcluir
  2. Senti-me envolvido no ambiente, na cadência do poema. Uma sensação agradável. Gosto do poema!
    Parabéns!

    ResponderExcluir
  3. Olá, bom dia.

    O tempo é de luzir. Então cada um de nós que busquemos o nosso Sol.
    Ele paira, e nos convida ao aquecimento do cotidiano. Não por que queremos, mas por que o tempo, exige em exposição, que cada um de nós, busquemos o nosso lugar. Abraços.

    ResponderExcluir
  4. Na primavera cada pingo que cai, cada gota de chuva, é realização, crescimento, desabrochar de formas, cores e vida.
    No inverno das nossas vidas, a chuva arrasta ilusões, inunda a esperança, afoga sonhos e embacia a vida. Pingos espessos escorrem na vidraça acossados pelo vento, turvando a paisagem, tornando-a distante.
    Mesmo assim, cada gota que corre no peito, ainda dá vida e marca o ritmo.

    Abraços.

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Contas

Eram contas de um colar pesado, Sem brilho, um tanto funesto Que alguém usava em volta do pescoço Como uma forma de p...