terça-feira, 5 de novembro de 2013

GOTAS DE CHUVA NO VIDRO





Olhos presos à janela
Mas sem enxergar a paisagem
Diante dos olhos dela.

Pinga uma gota no vidro,
E outra, e outra e mais outra...
O tamborilar a desperta
E os olhos chovem com elas...

Gotas de chuva no vidro
De uma vida já distante,
Nada será como antes,
Nada será como antes...

O vento assovia segredos
A ela, ininteligíveis...
Mas fica no peito o sentido
Daquilo que nunca foi dito...

E as gotas de chuva no vidro
Trazem risadas de um tempo
Que Não voltará a ser, 
Não voltará a ser,

Pois o tempo, quando acaba,
Não deixa nada, a não ser
A voz do vento que sopra
E gotas de chuva a chover...

4 comentários:

  1. Que lindo poema, adoro chuva, as gotas batendo na vidraça me deixam calma, deixo a janela aberta só para ver a chuva!
    Lindo!Amei!
    Abraços!

    ResponderExcluir
  2. Senti-me envolvido no ambiente, na cadência do poema. Uma sensação agradável. Gosto do poema!
    Parabéns!

    ResponderExcluir
  3. Olá, bom dia.

    O tempo é de luzir. Então cada um de nós que busquemos o nosso Sol.
    Ele paira, e nos convida ao aquecimento do cotidiano. Não por que queremos, mas por que o tempo, exige em exposição, que cada um de nós, busquemos o nosso lugar. Abraços.

    ResponderExcluir
  4. Na primavera cada pingo que cai, cada gota de chuva, é realização, crescimento, desabrochar de formas, cores e vida.
    No inverno das nossas vidas, a chuva arrasta ilusões, inunda a esperança, afoga sonhos e embacia a vida. Pingos espessos escorrem na vidraça acossados pelo vento, turvando a paisagem, tornando-a distante.
    Mesmo assim, cada gota que corre no peito, ainda dá vida e marca o ritmo.

    Abraços.

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Mandrágora

Teu Nome – raiz de mandrágora Perpassando o meu caminho, Me fazendo tropeçar... Um dragão adormecido Em isolada cave...