sexta-feira, 29 de novembro de 2013

LAVA




A lava escorria pela encosta da montanha,
Quente, crepitante, de fogo e de lama,
Lânguida descia, queimando no caminho
-Tudo o que tocava: flores, relva, ninhos...

A lava sem perdão buscava redenção,
Nascida do vômito daquela montanha...
Que sem piedade, sem qualquer vergonha,
Eruptava enxofre, lama e peçonha!

Mas a mãe natureza aguardava tranquila
Pois tinha a ciência de quem jamais medra...
Sabia que a lava fogosa nas trilhas
Ao frio da manhã, transformava-se em pedra.

E as flores rebrotavam, a relva crescia,
Voltavam os pássaros, cantos, e ninhos...
A paz renascia, e por sobre a fria pedra
Abriam-se fortes e novos caminhos.


6 comentários:

  1. Amiga Ana, lindos versos, amo escrever sobre tudo, assim vamos indo lendo e aprendendo, amei ler aqui, tivestes uma linda inspiração, as lavas descem sem piedade, a natureza é sábia, tudo tem sua razão!
    A natureza jamais medra!
    Abraços amiga linda, tenhas um lindo fim de semana!

    ResponderExcluir
  2. A lava o que tem ser aterradora, com o dom de criar novos caminhos. O poema, é bonito porque deixou uma réstia de otimismo aflorar,
    Beijos

    ResponderExcluir
  3. A lava tem tanto de espectáculo como de devastação. O seu poema
    é muito bom.
    Desejo que esteja bem.
    Bom fim-de-semana.
    Bj.
    Irene Alves

    ResponderExcluir
  4. DE FACTO O TEU POEMA É UM HINO À ESPERANÇA !
    DESTACO OS DOIS VERSOS FINAIS :
    A paz renascia, e por sobre a fria pedra
    Abriam-se fortes e novos caminhos.


    Um beijo, querida amiga.

    ResponderExcluir
  5. Há beleza e possibilidade de renascimento em tudo que ela destrói em sua passagem. A paz volta. Bjs.

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Contas

Eram contas de um colar pesado, Sem brilho, um tanto funesto Que alguém usava em volta do pescoço Como uma forma de p...