quinta-feira, 21 de novembro de 2013

A Rosa Amarela - Conto








A ROSA AMARELA



Era uma vez uma rosa amarela. Nada de especial, em ser uma rosa amarela, já que há muitas por aí... e existem vários tons de amarelo: claros, escuros, alaranjados... amarelos como o sol, iluminados, ou amarelos pálidos e sem vida. Mas no fundo, todos os amarelos são amarelos.



Mas voltemos à nossa rosa amarela: ela tinha sido plantada por um habilidoso jardineiro em um lindo jardim, onde havia várias outras espécies de rosas e de flores. Cada uma mais linda que a outra, em cores e perfumes tão variados, que ficaria muito difícil elaborar uma lista. Cada espécie ficava em um canteiro diferente, e os canteiros eram muitos, muitos... havia canteiros de margaridas brancas, monsenhores brancos e monsenhores amarelos, papoulas vermelhas, roxas e amrelas, lírios brancos e lírios amarelos, agapantos roxos, miosótis azuis, violetas lilases e violetas cor de rosa, enfim, cada flor com suas iguais. Mas a nossa rosa amarela – a especial, que dá título a esta história – tinha sido plantada pelo jardineiro bem no meio de um canteiro de rosas vermelhas. E eram lindas rosas vermelhas! Suas pétalas pareciam aveludadas.



A rosa amarela, que havia sido plantada mais tarde, nunca tinha se dado conta de que era diferente, e viveu feliz até que seus botões começaram a abrir-se. Imediatamente, as rosas vermelhas passaram a evitá-la; não viam que elas mesmas também tinham lindos botões vermelhos que se abriam ao mesmo sol e ao mesmo vento. Achavam que a rosa amarela era diferente, atrevida (como ousava espalhar sua luz amarela em um jardim onde só havia vermelho?), e assim, as rosas vermelhas passaram a comentar que a rosa amarela era muito esquisita, orgulhosa e estranha.



A rosa amarela bem que percebia que havia alguma coisa errada, pois quando ela florescia, as outras rosas não vinham correndo para dizer o quanto seus botões eram bonitos, como elas faziam entre elas. Mas quando as rosas vermelhas floresciam, a amarela estava sempre lá, dando uma força, elogiando a beleza e o perfume das rosas, e desejando que cada vez mais rosas vermelhas se abrissem. 



Mas quando a rosa amarela preparava um novo botão, imediatamente as vermelhas começavam a dizer o quanto ele parecia pequeno e pálido, ou que havia alguma coisa errada com o perfume. Isto, quando elas sequer diziam alguma coisa. 



Mas um dia, a rosa amarela sentiu vontade de abrir um botão bem bonito, grande, de cores e perfume bem fortes. Quem sabe, assim agradasse as rosas vermelhas? E ela passou bastante tempo tentando fazer exatamente aquilo: agradar as rosas vermelhas. Mas não obteve sucesso: era sempre censurada e deixada de lado pelas suas irmãs rosas. Por mais que fizesse, estava sempre errada, e era sempre inadequada.



Certo dia, a rosa amarela decidiu que ia tentar ser vermelha. Queria ser igual às outras, pois desejava ser aceita no grupo. Começou a observar os outros canteiros, e percebeu que as papoulas vermelhas recebiam um adubo diferente. Quem sabe, se ela se alimentasse dele, não ficasse vermelha também? Assim pensando, esticou suas raízes aos poucos (embora o esforço fosse dolorido e incômodo, pois não era natural) e conseguiu que uma das extremidades alcançasse o canteiro de papoulas vermelhas. Com o tempo, ela percebeu que seus novos botões iam ganhando um novo colorido, que primeiramente, apresentou-se em ranhuras vermelhas entre o amarelo de suas pétalas, e depois, as ranhuras foram ficando cada vez mais espessas até cobrirem seus botões de um vermelho doentio.



Vendo seu esforço para agradá-las, as rosas vermelhas tornaram-se mais condescendentes (mas no fundo, sabiam que a rosa amarela era uma rosa amarela, e não a aceitavam de verdade). E a rosa amarela passou a dar flores vermelhas, mesmo sentindo muita dor, apenas para agradar às outras. E sangue escorria de suas pétalas a cada novo botão. Seu caule, antes uma haste firme e reta que crescia em direção ao sol, envergou-se para o lado do canteiro de papoulas, tornando-se retorcido. Assim, ela diminuiu de tamanho, o que deixou as rosas vermelhas ainda mais satisfeitas.



Um dia, o jardineiro ia passando, quando a rosa amarela o abordou, dizendo:



-Você cometeu um erro! Me fez nascer amarela no meio de um canteiro de rosas vermelhas que jamais me aceitaram como sou! Veja só, olhe para mim! Tenho me sacrificado durante anos tentando ser vermelha como elas, e acabei ficando atrofiada. 



O jardineiro ficou triste, e respondeu:



-Minha filha, plantei-a no meio do canteiro de rosas vermelhas porque eu queria que você se sentisse especial; ao mesmo tempo, eu quis dar a elas um presente. Quis colocar entre elas uma rosa diferente, através da qual elas pudessem aprender coisas novas, e ensinar a você o que elas mesmas já tinham aprendido. Mas vejo que elas não souberam desfrutar da sorte de possuírem uma flor diferente crescendo entre elas, e não ficaram agradecidas. E também percebo que você não é feliz, tentando ser o que não é... elas nada aprenderam, e nem você.



-Tudo o que eu queria, é ter nascido rosa vermelha, para ser igual às outras e sentir-me aceita por elas!



-Bem, agora é tarde para isso... mas veja, minha flor: você teve uma oportunidade única, de tornar-se uma rosa especial entre elas!



-E elas me odeiam por isso! Me desprezam, e não me incluem em suas atividades. Nem mesmo depois que consegui tornar-me vermelha.



O jardineiro deu um profundo suspiro, e olhou o jardim de rosas. Pensou no quanto as rosas vermelhas tinham sido cegas, egoístas e injustas com a rosa amarela. Sentiu que elas, na verdade, eram rosas preconceituosas e cheias de inveja e ressentimentos. Não sabiam desfrutar uma beleza diferente delas mesmas, e nada tinham aprendido ou ensinado através daquela convivência. A rosa amarela, por sua vez, envergonhara-se de sua beleza diferente e especial, e ao invés de crescer em sua plenitude, aceitando a si mesma e valorizando as próprias qualidades, tornara-se retorcida e pequena tentando ser o que não era apenas para agradar as outras rosas. Sendo assim, o jardineiro tomou uma decisão:



-Querida rosa amarela, vejo que vocês ainda não estão prontas para florescer com plenitude nos jardins do céu. Mas seu tempo nesta terra ainda não terminou, e assim, resta-lhe uma alternativa: posso transplantá-la para um novo canteiro.



-Seria bom... 



-Mas todos os outros canteiros estão completos, e então, você teria que aceitar a solidão. Você viverá em um canteiro onde será a única rosa, sozinha para o resto de sua vida. O que você prefere: continuar vivendo neste canteiro, tentando ser rosa vermelha ou aceitando ser rosa amarela, mas na companhia das outras rosas que nunca aprenderam a amá-la e aceitá-la, ou ser replantada em um novo canteiro solitário?



A rosa pensou, e pensou... olhou para suas companheiras, que continuavam a ignorá-la. Ponderou bastante antes de tomar uma decisão: não conseguiria mais tentar ser como não era, pois a dor de tal esforço já a estava sufocando. Se voltasse a crescer e retomasse sua cor, ali onde estava, as outras rosas passariam a novamente perturbá-la e recriminá-la como antes. Muito triste, ela precisou comunicar ao jardineiro a decisão mais difícil de sua vida: ser transplantada para o jardim solitário. 



Quando o grande dia chegou, as rosas vermelhas acharam estranho aquele movimento todo, de pás, carrinhos com adubo e transplantes, e mais uma vez, reclamaram da decisão tomada pela rosa amarela, que passou a ser o assunto de todas as conversas; elas diziam o quanto ela era mal-agradecida e orgulhosa, e que ela se achava melhor que as vermelhas, e que elas estiveram sempre certas: a rosa amarela era mesmo estranha, orgulhosa e anormal, pois preferia a solidão a conviver com rosas tão maravilhosas quanto elas. 



A rosa amarela ouvia tudo aquilo, e entristecia... Do seu jardim solitário, ela observava as atividades das rosas vermelhas – que faziam questão de serem bem ruidosas em suas risadas, a fim de que a rosa amarela as ouvisse e se sentisse triste e humilhada. Mas aos poucos, as rosas vermelhas percebiam que o espaço antes ocupado pela rosa amarela deixava um feio buraco escuro bem no meio do canteiro. E nada jamais cresceria ali, pois era o espaço que deveria estar sendo ocupado pela rosa amarela. Mesmo assim, elas fingiam nada perceber.



Enquanto isso, a rosa amarela, aos poucos, passou a contentar-se em viver só; logo, seu caule tornou-se novamente ereto, forte e alto, e suas flores, amarelas como o sol. Sozinha no meio de um canteiro, ela passou a ser mais feliz, pois podia, finalmente, ser o que havia nascido para ser: uma rosa amarela.





O jardineiro a tudo observava, e lamentava profundamente, pois nada daquilo tinha feito parte dos seus planos. Mesmo assim, compreendia a decisão da rosa amarela. E já preparava, para o futuro, um novo jardim onde todas as rosas voltariam a viver juntas novamente; quem sabe, numa outra vida, elas pudessem evoluir?



6 comentários:

  1. A bela rosa amarela, feneceu como muitos que ao invés de serem tratados como especiais, por serem diferentes, são julgados e punidos...

    Lindo conto Ana, tu tens o dom de encantar!

    ResponderExcluir
  2. Lindo demais,Ana! Aliás hopje te li também na Anne>Beijos,tudo de bom,chiac

    ResponderExcluir
  3. Ana, você colocou o ser humano, seus sentimentos de inadequação e seus preconceitos num canteiro de rosas, de forma encantadora. Parabéns, talentosa jardineira de palavras.

    ResponderExcluir
  4. quantas rosas amarelas existem por aí...e o mais grave é que este pequeno conto é apenas uma constatação de muitas rosas amarelas e outra tantas vermelhas...que existem no mundo real e dos humanos.

    :(

    ResponderExcluir
  5. Seu conto é uma lição de vida. Enquanto os seres humanos não aprenderem a lidar com as diferenças, mantendo o respeito e a harmonia, sofrerão. Bjs.

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

O que Tem na Sua Playlist? Uma Interação

Inspirada por um comentário de paulo Bratz a um de meus posts, que fala sobre um aparelho de som que comprei na Black Friday,...