Não Sonhar





Já não tenho mais sonhos.
Basta-me a paisagem à janela,
Bastam-me os sinos de vento,
As cores e sons do momento.

Nada mais quero alcançar,
A não ser esse olhar
Que hoje eu tenho sobre as coisas,
O caminhar pelos caminhos que eu abri,
E ver florir aquilo que plantei.

Já não tenho mais sonhos,
Não anseio mais nada,
Tenho as palmas das mãos voltadas para o céu,
Recolho o vento, os raios de sol,
A chuva, as folhas que caem,
E nada mais arde
Nesse meu existir real!

Descansei as ambições,
Coloquei-as para dormir seu sonho eterno,
Eterno...
Entrei, voluntariamente,
Nesse inverno entre verões...

Há memórias o bastante
Que me sustentem pela vida,
Há presentes espalhados no meu espaço,
Que me satisfazem,
Que me aprazem,
Suficientes para o resto
De minha viagem...

Já não tenho mais sonhos,
E mesmo os pesadelos que me afligem
Somem, de manhã,
Na mesma fuligem da qual nasceram!

Ah, é tão bom estar assim,
Tão perto e tão longe de mim,
Sem sonhos, sem ambições,
Sem desejos de vencer, de chegar, de ser, de ver, 
De ir ou de voltar!
Sem nada mais querer provar a ninguém,
Apenas contemplar,
Apenas contemplar!


Comentários

  1. Linda e profunda e triste por não ter mais sonhos... beijos,tudo de bom, bela inspiração!chica

    ResponderExcluir
  2. Oi Ana, você é muito jovem para não ter mais sonhos, viver a vida já é um grande sonho, amo você, abraços carinhosos Maria Teresa

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Postagens mais visitadas deste blog

Doce de Abóbora

VIDA

Sentidos