quarta-feira, 13 de novembro de 2013

SUMIDA




Eu sei que eu ando sumida,
Quase uma nuvem de brisa,
Quase um sussurro, um leve gesto
De água escorrida...

Eu sei que meus olhos se perdem
Agora, nas flores da vida...
Os jardins por onde ando
São os de leves margaridas,
Rosas cálidas, sofridas,
Brancas acácias, cheias de vida...

-Me vês? Eu sou a que passa
De leve, em teus pensamentos...
Meus passos não fazem ruídos,
Meus véus eriçam tua pele,
Mas sempre de leve,
Sempre de leve...

Eu sei que eu ando sumida,
(Perdida, ou quem sabe, encantada?...)
Nas sutilezas da vida
Na voz da passarinhada...
Meu cheiro se encontra no mato,
Respire bem fundo - eu te digo,
E encontrarás meu abrigo,

Pois sei que eu ando sumida,
Mas estou sempre contigo!

6 comentários:

  1. Ana, que beleza de poesia! Vc está sempre presente em nossos corações ! bjs,

    ResponderExcluir
  2. No delicado a expressão mais profunda de amor que já li, parabéns!

    Abraço Ana!

    ResponderExcluir
  3. Ana, linda foto, delicados e sensíveis versos. É muito bom ler o que escreve. Bjs.

    ResponderExcluir
  4. Sumida é apenas um título. Você e sua poesia Ana, estarão sempre perto... Que bom!
    Você sempre povoa de estrelas os olhos dos teus leitores, porque teus poemas reconfortam, enlevam e proporciona imagens em 3D. Adoro!

    beijão da fã
    LU C.

    ResponderExcluir
  5. Um belíssimo poema! Uma permanente imagem que marca, sempre fica...

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Mandrágora

Teu Nome – raiz de mandrágora Perpassando o meu caminho, Me fazendo tropeçar... Um dragão adormecido Em isolada cave...