Imprecisão





Eu miro um horizonte enfermo
Lá, onde jaz o meu desterro
Ermo retrato do porvir.

Ir ou ficar: é só o tempo
Que escreve as linhas desse intento
Céu ou inferno: mesmo caminho?

E a nossa dor de sermos sós
Põe-se ao nascer de um novo sol...
-Mesmo horizonte, o que a acolhe.

Nesse saber que a vida tolhe
Não há retornos no final
Somente as cores do arrebol.



Comentários

  1. q forte.... !! eu miro um horizonte enfermo.. showwww................. olguinha costa

    ResponderExcluir
  2. Pelo céu e pelo inferno passamos em nossas jornadas. A interrogação faz parte dela e só lá no fim teremos respostas e entendimento. Bjs.

    ResponderExcluir
  3. Linda construção na magnifica ilustração.
    Muito bom Ana.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Postagens mais visitadas deste blog

Doce de Abóbora

VIDA

Sentidos