Vento Maldoso








Soprou um vento maldoso,
Espalhando nuvens negras sobre tudo.
A paisagem ficou cinza,
O azul do céu
Separou-se da terra.

Mas veio um sol, e brilhou,
Brilhou, derretendo as nuvens...
E o vento enfurecido
Em sua vingativa sina
Derrubou casas e árvores.

Deixou um rastro de ódio
Por onde havia passado.

Mas a natureza, a mãe,
Aos poucos, cuidou de tudo,
Plantando árvores novas,
Reconstruindo os regatos,
Trazendo de novo os pássaros.

E as árvores cresceram,
E as flores rebrotaram,
E os frutos renasceram.

Vento maldoso de enxofre,
Jamais vencerás a vida,
Não apagarás as cores,
Não calarás, dos pássaros o canto,
Não tornarás amargo
O mel dos beija-flores! 



Comentários

  1. Acabo de ler, Ana e estou maravilhado ( o que já é habitual com tudo o queescreves ) !
    Os actos terroristas sãocomo esse vento maldoso...

    Um beijo, querida Ana.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Postagens mais visitadas deste blog

Doce de Abóbora

VIDA

Sentidos