quinta-feira, 12 de setembro de 2013

Vento Maldoso








Soprou um vento maldoso,
Espalhando nuvens negras sobre tudo.
A paisagem ficou cinza,
O azul do céu
Separou-se da terra.

Mas veio um sol, e brilhou,
Brilhou, derretendo as nuvens...
E o vento enfurecido
Em sua vingativa sina
Derrubou casas e árvores.

Deixou um rastro de ódio
Por onde havia passado.

Mas a natureza, a mãe,
Aos poucos, cuidou de tudo,
Plantando árvores novas,
Reconstruindo os regatos,
Trazendo de novo os pássaros.

E as árvores cresceram,
E as flores rebrotaram,
E os frutos renasceram.

Vento maldoso de enxofre,
Jamais vencerás a vida,
Não apagarás as cores,
Não calarás, dos pássaros o canto,
Não tornarás amargo
O mel dos beija-flores! 



Um comentário:

  1. Acabo de ler, Ana e estou maravilhado ( o que já é habitual com tudo o queescreves ) !
    Os actos terroristas sãocomo esse vento maldoso...

    Um beijo, querida Ana.

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

REFLEXÃO

Já muito andei sem enxergar, sem ver, O que me fez e me desfez, a fome... "Ana" é o nome que alguém me deu, M...