sexta-feira, 6 de setembro de 2013

NOITE






As Damas da Noite
Ergueram as vozes de gaze
E montando numa brisa
Trouxeram seu perfume
Num frasco de luar.

Cravejei a pele de estrelas,
Escancarei as janelas
Deixando a noite entrar.

Vesti-me da escuridão sedosa
Adornei-me de silêncio
Salpiquei sonhos na fronha.



2 comentários:

  1. Ai meus sais... Como assim?
    Ana, já li 3 vezes e na quarta, declamei, porque é lindo demais.

    Você está escrevendo na concisão amiga, porque esse poema diz tanto em 3 estrofes... Ai ai ai..
    Estou aqui, sonhando!

    Bacios e bom fim de semana

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Contas

Eram contas de um colar pesado, Sem brilho, um tanto funesto Que alguém usava em volta do pescoço Como uma forma de p...