sexta-feira, 6 de setembro de 2013

NOITE






As Damas da Noite
Ergueram as vozes de gaze
E montando numa brisa
Trouxeram seu perfume
Num frasco de luar.

Cravejei a pele de estrelas,
Escancarei as janelas
Deixando a noite entrar.

Vesti-me da escuridão sedosa
Adornei-me de silêncio
Salpiquei sonhos na fronha.



2 comentários:

  1. Ai meus sais... Como assim?
    Ana, já li 3 vezes e na quarta, declamei, porque é lindo demais.

    Você está escrevendo na concisão amiga, porque esse poema diz tanto em 3 estrofes... Ai ai ai..
    Estou aqui, sonhando!

    Bacios e bom fim de semana

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Mandrágora

Teu Nome – raiz de mandrágora Perpassando o meu caminho, Me fazendo tropeçar... Um dragão adormecido Em isolada cave...