sábado, 14 de setembro de 2013

Eu Levo








Eu Levo


Eu levo esperança e perdão
Nas dobras da minha mortalha.
Levo os sonhos que ficaram
Sob o fio da navalha.

Deixo a dor e a incompreensão
Por sobre a laje de pedra.
E a saudade (se sentirem)
Deixo em cada coração.

Na fotografia em sépia
Fica a imagem dessa máscara
Que a mim por Deus foi dada.

Talvez leve algum remorso
Por aquilo que eu não fiz...
Mas não levarei mais nada.


5 comentários:

  1. Quantas coisas boas vc levará!Um belo soneto,Ana!Bjs,

    ResponderExcluir
  2. Como passageiros no trem da vida,
    tantas coisas marcam a nossa existência,
    comovem o nosso ser,
    elevam nossa alegria .
    A vida é feita pra viver, se arrepender,
    pedir perdão, rir, chorar, brincar,
    cair, levantar, ser feliz.
    Comece você a iluminar, a modificar,
    a permitir que a paz flua através de você.
    Deixe que a fonte divina jorre sobre tudo,
    que nosso coração seja uma fonte de amor
    abençoando vidas atraves da nossa fé em
    Deus.
    Obrigada pelo carinho na minha ausência
    obrigada pelo carinho pela passagem
    do meu aniversário.
    Que, Deus permita estar por mais alguns anos
    recebendo esse carinho , que me deixa feliz.
    Um abençoado Domingo beijos
    no coração afagos na sua alma , Evanir.

    ResponderExcluir
  3. Um poema literalmente forte, porém, magistral... A D O R E I !

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

REFLEXÃO

Já muito andei sem enxergar, sem ver, O que me fez e me desfez, a fome... "Ana" é o nome que alguém me deu, M...