quarta-feira, 18 de setembro de 2013

Cheiro de Flor







Ah, esse cheiro de flor murcha, sufocante!
Esse aroma que me segue na vida...
Flores mortas e frouxas
E cera de velas...

Ah, esse aroma que o vento traz
Sempre, cedo ou tarde,
E agora, mais que nunca,
Esse cheiro que me acorda
No meio da noite
Mais negra e mais profunda!

Quisera poder abrir as janelas
E expulsar, para sempre, este aroma!
Mas não há ninguém que dele a vida poupe...
Ninguém!

Não existe uma redoma
Que dele nos proteja...
Seguro entre os dedos os caules dessas flores
Que há muito já murcharam...




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

É QUE ÀS VEZES, O ADEUS PESA...

Não, não pude olhar para trás,  Atravessar aquela rua, Ir ao pé da tua janela E me despedir. Não, eu  não pude hes...