MENINA








MENINA


Levava o carinho nas pontas dos dedos,
E todo o frescor da vida brotava...
Menina brincando, com a paz sonhava
Sem dores ou cismas; menina sem medo.

Mas veio o inverno que enregelou
As telas e cores que a artista pintou...
Rasgou-se o vestido, turvou-se-lhe a vista
Das lágrimas tantas que ela derramou!

Cresceu a menina, murcharam as flores
Daquele jardim de amor que plantou
Chegou a saudade, e junto, a dor.

As pedras jogadas feriram-lhe a fronte
E jaz no passado o que dela restou:
História esquecida... haverá quem a conte?


Comentários

  1. Bonita e reflexiva, Ana!
    Uma pergunta no ar e respostas no coração da menina...

    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Tão triste esse perder as ilusões de menina!Muito linda sua poesia!bjs,

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Postagens mais visitadas deste blog

Doce de Abóbora

VIDA

Sentidos