segunda-feira, 17 de fevereiro de 2014

TRISTE FLOR




Triste, triste, triste flor
A debruçar, sobre o muro
Pétalas brancas de dor!

Vem a chuva, e as recolhe
Tolhe sua florescência...

Triste, triste, triste flor!
No meio-fio da calçada,
Murchas manchas de amor...

Vem o vento, e as assopra,
Espalham no ar sua essência...

Triste, triste, triste flor!
Tua vida derramada,
Buquê transido de adeuses,
Murchas ausências sem cor...




6 comentários:

  1. Feliz segunda-feira!!!

    Lindo poema Aninha, gosto muito.

    Bjs
    Nicinha

    ResponderExcluir
  2. Este poema de fato é muito belo. Parabéns poetisa Ana!

    ResponderExcluir
  3. Ana, imagine só, hoje cedo caminhando sob as árvores, na passarela paralela a avenida, vi muitas flores caídas, molhadas, eram tantas, bem assim como seu lindo poema, fiquei pensando em como são lindas e frágeis, mas mesmo caídas, molhadas, pareciam ainda belas, as pessoas, inclusive eu, pisando nelas, achei triste, assim como seu lindo poema, "triste flor"!
    Amei ler minha amiga poetisa!
    Abraços!

    ResponderExcluir
  4. Oi Ana, me lembrou a vida, já sem anseios, murcha pelo chão. Seus poemas são canções que nos tocam. Abraços carinhosos Maria Teresa

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

O que Tem na Sua Playlist? Uma Interação

Inspirada por um comentário de paulo Bratz a um de meus posts, que fala sobre um aparelho de som que comprei na Black Friday,...